A maioria das pessoas vive física, intelectual ou moralmente, num círculo muito restrito do seu ser potencial. Elas fazem uso de uma parte muito pequena de sua consciência possível.


( William James)


quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012




Olha aí quem manda... e os fantoches políticos servem. Deixemos de ingenuidade. Essa democracia é uma farsa. Nunca houve democracia. Não sabemos o que é uma democracia, nunca vimos uma. O que conhecemos é a truculência do Estado contra os pobres e seu favorecimento aos ricos. Não que o Estado seja criminoso. O que passa é que ele foi seqüestrado pelo poder econômico e, agora, manietado, manipulado, age criminosamente contra o povo brasileiro. Os que levantam os tijolos, fazem as ruas, põem o asfalto, os postes, os fios, as tubulações, fazem a conservação, a manutenção, consertam os vazamentos, desentopem os esgotos, carregam as caixas, atendem nos balcões, abrem as portas, fazem a faxina, a comida, tiram o lixo, cuidam das crianças, lavam roupas, carros, prédios, fazem entregas, consertam o que estraga, pagam proporcionalmente mais impostos, ou seja, além de construírem, mantêm funcionando e ainda sustentam a sociedade via impostos. Basta dar uma estudada no sistema tributário e isso fica claro. E são explorados, sabotados em educação, saúde, na vida em geral, idiotizados por uma mídia maléfica, entorpecente, deformadora da realidade, são desprezados, iludidos, reprimidos, perseguidos, marginalizados e excluídos dos benefícios da tecnologia. Eventualmente, são massacrados, quando ocupam, como em Pinheirinho, espaços falcatruescos, que não pagam impostos, que não se sabe como chegaram à propriedade de bandidos como Naji Nahas, abandonados há anos, ocupados pela população que não vê o Estado cumprir sua constituição na garantia de moradias e condições de vida digna e toma suas atitudes na resolução dos problemas básicos. Há oito anos esse espaço foi ocupado, virou um bairro. A legislação prevê esse direito, mas o controle da coisa pública pela privada move o aparelho público contra o público. E temos que ver a polícia como inimiga da população, atacando de forma bárbara velhos, mulheres, crianças, famílias em pânico, dispersadas, membros assassinados ou desaparecidos. Não há muito o que dizer. Tá na cara, não vê quem não quer...

Eduardo Marinho


Nenhum comentário:

Postar um comentário