A maioria das pessoas vive física, intelectual ou moralmente, num círculo muito restrito do seu ser potencial. Elas fazem uso de uma parte muito pequena de sua consciência possível.


( William James)


quarta-feira, 29 de junho de 2011

O QUE É MEDITAÇÃO?

Enquanto pedalava pelo sul, Santa Catarina e Rio Grande, no mapeamento do meu próximo livro – Guia de Trilhas Serra Geral (BluGrama) – tentei explicar a meu companheiro de pedal o que é meditação. Tarefa difícil...

Lembrei de um comediante, acho que francês, que dizia que “meditar é algo muito mais importante do que ficar sentado no chão sem fazer nada”... Ele fazia graça, mas disse a verdade. Meditar requer muito esforço, embora o corpo aparentemente não faça nada.

Gosto da imagem que ouvi de um professor de budismo, repetida depois algumas vezes por monges budistas que conheci... Na meditação a gente observa a mente como se fosse uma tela de cinema. É assim que eu tento agir, enquanto medito: puxo uma cadeira e me sento, no meio da minha mente, em silêncio e muito atento, sem crítica e sem tentar controlar, e observo as projeções que minha mente joga na tela que me circunda.

Lembranças, fantasias, emoções, sensações físicas e, entre uma imagem e outra, vislumbres da própria mente. Passado, futuro, prazer, desejos, dor e um padrão de agitação constante. Assim minha mente se manifesta. Inquieta, sempre ocupada, como se tudo nela fosse muito importante. Cheia de si e lotada com todo tipo de detalhe. Ou, em outras palavras... Fechada para tudo o que não é produto dela mesmo.

Meditar é tomar consciência, observar, analisar, entender que essas manifestações mentais têm origem, duração e término – como tudo no universo, inclusive o próprio universo. Nos raros intervalos entre uma onda de agitação e outra, aparecem espaços que não são vazios porque parecem conter absolutamente tudo. Se medito com regularidade e dedicação, esses espaços ficam mais frequentes e de maior duração. Sinto um certo alívio.

Quando a mente não está ocupada fazendo tanto barulho, aparece o silêncio. O mundo à minha volta pode estar em carnaval, mas a mente fica em silêncio. Somente no silêncio da mente consigo ouvir o mundo à minha volta e, se estiver muito atento, consigo entendê-lo um pouco. Isso é meditar.

Obviamente não é preciso sentar no chão e fechar os olhos. Não é preciso se retirar para um canto escuro e silencioso. Mas esse isolamento ajuda no começo, porque não estamos habituados a prestar atenção no barulho da nossa mente ou a valorizar quando ela não está “ativa”. Achamos a agitação mental natural e até saudável.

Quando medito consigo abrir espaço na minha mente para apreciar – silenciosamente, sem a eterna voz do locutor (eu mesmo) que narra constantemente a vida na minha cabeça – o mundo à minha volta. Se estou, por exemplo, nos campos ondulantes de altitude da Serra Geral, polvilhado de bosques de araucárias e cortado por rios cristalinos correndo sobre lajes polidas de pedras, consigo beber o cenário com cada célula do meu corpo e não apenas com os olhos e a mente. Tudo parece mais vivo e presente.

Quer tentar?

FONTE: http://clubedaaventurakalapalo.blogspot.com/2011/06/o-que-e-meditacao.html

4 comentários:

  1. Forma gostosa de explicar o ato meditativo.

    Mas ainda assim, apenas passando pelo processo é que se pode compreender aquilo que apenas a experiência pode traduzir.

    Tentar explicar a meditação seria o mesmo que tentar explicar o amor. Não se explica, se sente.

    A meditação é o modo mais próximo que um ser humano pode chegar da verdade. Por isso, a importância de sua realização e não de sua explicação.

    E inteligentemente o texto aponta para isso, chamando o leitor para experimentá-la.

    Boa escolha, Viajante.
    Abração.

    ResponderExcluir
  2. Olá Marcos!! Grata por seu comentário!

    Sim!! toda teoria é pó e inútil se não houver prática e experiência direta do que acreditamos ser verdade ou necessário na nossa jornada por este planeta.

    Mas ainda tem muitas pessoas que buscam ler blogs ou livros achando que isto basta para que se tornem ''espiritualizadas'' ou conscientes, mas se decepcionam depois de algum tempo por perceberem que nada em suas vidas mudou pois, a verdadeira mudança ocorre somente na experiência direta ou no SENTIR como você muito bem explicou.

    Grande abraço!! Paz e Amor em seus caminhos =)

    ResponderExcluir
  3. Olá,

    somos da assessoria de comunicação de um grupo de artesãos que desenvolvem objetos para ajudar no alívio do stress, na prática da meditação ou simplesmente no passatempo, como japamalas, masbahas e kombolóis. Gostaríamos de convidá-l@ para uma visita em nosso blog e em nossa página no Facebook: http://maosocupadas.blogspot.com

    Um abraço,
    Ahow! Comunicação

    ResponderExcluir
  4. Olá Ahow! comunicação!

    Já visitei seu blog e achei lindo o trabalho de vocês. Em breve entro em contato para pedir um Japamala =)

    Jay Aho!! Namastê!

    ResponderExcluir