A maioria das pessoas vive física, intelectual ou moralmente, num círculo muito restrito do seu ser potencial. Elas fazem uso de uma parte muito pequena de sua consciência possível.


( William James)


terça-feira, 26 de novembro de 2013

Inner Worlds, Outer Worlds.

Compêndio dos estudos clássicos e modernos acerca da essência de nossa existência, do cosmos. Para rever e refletir inúmeras vezes... 




1° PARTE - AKASHA



2° PARTE - A ESPIRAL




3° PARTE - A SERPENTE E A LÓTUS



4º PARTE - ALÉM DO PENSAMENTO

sábado, 23 de novembro de 2013

O Um




O que vou fazer adiante é simplesmente "descrever" a Identidade não dual agora mesmo, do modo como ela é imediatamente vista. O que se segue é fluxo de consciência, por isso perdoa qualquer falha. Simplesmente descontraia a mente e leia o que se segue levemente (se uma frase faz imediatamente sentido, bem, se não, continua lendo relaxadamente): 

O que tu tens andado à procura é literalmente e exatamente O que lê esta página agora mesmo. Esta Identidade não pode ser encontrada pois nunca se perdeu: tu sempre tens visto que tu tens sido tu . Esta Identidade é uma condição permanente de tudo o que surge, é o espaço no qual tudo surge, nada tem fora de Si e por isso é Paz absoluta, e irradia sua própria beleza em todas as direções. O João surge no espaço desta Identidade, o João surge neste espaço infinito, nesta receptividade pura. O João é um objecto, assim tal qual uma árvore ou uma nuvem que surge no espaço da Identidade que tu és. Agora não estou a falar ao João, estou a falar para ti O que está ciente do João é esta Identidade sempre presente. Esta Identidade está ciente do João surgindo agora mesmo. Esta Identidade é Deus. Deus está lendo esta página. O João não está lendo esta página, Deus está lendo esta página. A Identidade está ciente do João e ciente desta página. Tu não és o João. Tu és O que está ciente do João. O que está ciente do João é uma Identidade que em si mesma não pode ser vista mas unicamente sentida, sentida como uma certeza absoluta, uma inabalável Identidade, EU SOU este EU SOU eternamente, intemporalmente, interminavelmente. Só existe esta Identidade em todas as direções. Tudo surge espontaneamente no espaço desta grande perfeição que é esta Identidade, que está lendo esta página agora mesmo.

E tu, João, és essa Identidade. Tu sempre tens visto que tu és esta Identidade. Nunca houve um momento em que não soubeste que tu és _tu Não consegues recordar um momento no qual tu não foste tu. A única coisa que sempre podes recordar é aquilo que esta Identidade fez. Só existe esta Identidade. Não a podes alcançar, pois é ela que tenta o alcance, não a podes ver, pois é ela que realiza a visão agora mesmo, isto significa que, tudo simplesmente surge na Sua presença: o mundo inteiro surge na tua presença agora mesmo. Tu és esta extensão na qual tudo espontaneamente, sem esforço, surge. Tu és Este Primeiro. Tu sempre tens sido Este Primeiro. Só existe Este Primeiro. Não suponhas que O estás a encontrar. Não suponhas que te tens esquecido Dele. A única coisa que sempre tens conhecido, a única coisa que te é dado recordar, a única coisa que na verdade estás sentindo agora mesmo é Este Primeiro: a Identidade, a Presença, a qualidade de tudo, tal como é, e tal como surge na tua Presença – a simples sensação de Ser – que é tudo o que tu sempre sentes, permanentemente. 

Olha as nuvens: elas estão surgindo na tua consciência: estão surgindo em ti. As nuvens estão fora do João mas dentro da tua Identidade. Olha para o teu corpo e para esta sala. O teu corpo está nesta sala, mas ambos o teu corpo e esta sala surgem NA tua consciência. Tu estás literalmente sustentando-os amorosamente na tua consciência. As montanhas estão aparecendo na tua consciência: estão surgindo em ti e tu sustenta-las amorosamente na tua consciência, segurando o mundo que desponta no teu abraço, qual terno e radiante amor. As montanhas estão surgindo fora do João mas no interior da tua Identidade. As nuvens, as montanhas, e o João estão todos simultaneamente, e sem esforço, surgindo nesta Identidade, o leitor desta página. Tudo o que está surgindo surge neste inabalável EU SOU, que não é uma coisa ou um objecto ou uma pessoa, mas a receptividade ou clareira na qual todas as coisas e todos os objetos e todas as pessoas estão a surgir. Esta vacuidade, esta receptividade, este grandioso espaço é a tua Identidade, é O que tu sempre tens sido, é O que tu és antes de os teus pais terem nascido, é o que tu és antes de acontecer o Big-Bang. Antes de Abraão ser, EU SOU. Não há um antes e um depois para este instante presente, que a Identidade é. Só existe este instante, agora, da Identidade que está lendo esta página neste preciso momento. Não há um passado e um futuro neste interminável instante. Todos os antes e todos os depois surgem _nesta consciência. Só existe esta sempre-presente, nunca-iniciada, nunca-terminada, não-nascida, imperecível, beleza radiante que está ciente desta página, que está ciente deste universo, e que encontra todos estes NO espaço que em si mesma é, e por isto, todas as coisas surgem na Paz inabalável que as sustenta facilmente com o seu amparo. O João existe no universo; o universo existe na tua Identidade. 

Por isso, sê esta sempre-presente Identidade que está lendo esta página. Não o estou a dizer ao João, estou a falar para ti Deixa o João aparecer e desaparecer como qualquer objecto. Permite que o João apareça, fique por um pouco, e parta: o que tem isto a ver com a tua Identidade? Todos os objectos aparecem, permanecem, e partem no vasto espaço e vacuidade que está ciente deste momento, e este momento, e este momento, e este momento. Ainda assim, este momento não tem fim, tu na verdade nunca sentiste que o presente tenha chegado a um termo pois isso nunca acontece: o presente é a única coisa que é real: este instante imediato, presente, esta simples sensação de Ser, exatamente a mesma sensação-consciência na qual esta página flutua, e na qual o João flutua, e na qual as nuvens flutuam. Quando tu sentes este instante presente, nada encontras fora dele – não é possível vislumbrar o exterior deste instante intemporal, pois nada existe além dele. Este instante, e este e este é tudo quanto tu conheces, e este instante imediato presente é simplesmente outro nome para a imensurável Identidade na qual surge o cosmos inteiro, uma radiante, rejubilante, extasiada dilatação de felicidade e um desejo de partilhar esta Alegria infinita com outra pessoa. 

Porque esta página e as montanhas e as nuvens todas surgem na tua consciência, nada existe fora da tua Identidade. Que não existe literalmente nada exterior à tua Identidade significa que não existe literalmente nada que a possa ameaçar. Uma vez que conheces esta Identidade, tu conheces a Paz. Porque tu já és, diretamente, imediatamente, e intimamente um e idêntico a aquele que está lendo esta página agora mesmo, tu conheces Deus agora mesmo, diretamente e imediatamente e inequivocamente e inegavelmente E porque conheces Deus agora mesmo, como a própria Identidade lendo esta página, tu sabes que finalmente, verdadeiramente, profundamente estás em casa, um lar que sempre diretamente tens conhecido e sempre tens fingido não conhecer. 

Por isto, deixa de fingir. Reconhece que tu és Deus. Reconhece que tu és Perfeição. Reconhece que tu és a própria Verdade que os sábios têm procurado há séculos. Reconhece que tu és Paz acima da inteligência. Reconhece que estás tão arrebatadamente feliz que tiveste de manifestar este mundo inteiro só para gerar o testemunho da beleza radiante que não podias conter só em e para ti mesmo. Reconhece que a Testemunha desta página, a Identidade deste e todos os mundos, é o próprio e único verdadeiro Espírito que olha através de todos os olhos e ouve através de todos os ouvidos e se estende em amor e compaixão para abraçar os próprios seres que Ele mesmo criou numa extasiada dança que é o segredo de todos os segredos. E reconhece que estás Só, que és literalmente o Único em todo o universo: não há outros para este Primeiro. Há efetivamente outros para o João, mas tanto o João como os outros surgem na consciência que está lendo esta página, e esta consciência, esta Identidade, não tem um outro, pois todos os outros surgem nesta Identidade. Primeiro sem segundo é O que está lendo esta página. 

Portanto, sê esse Primeiro. E dá também um abraço meu ao João. 

(Ken Wilber)


Ser uma luz para si mesmo

sábado, 19 de outubro de 2013

Quem Apertou Nossos Colhões?



De fora para dentro, a primeira camada de nosso eu é a do "como vai?" e do "Vou bem, obrigado". É a camada superficial, e precisamos dela para conviver no mundo, do 
jeito como ele está. É chamada de Máscara.

Tem pessoas que param por aí. Têm muito medo do que se passa lá dentro, em seu mundo interior. Costumam ter sonhos cheios de simbolismo, que não lhe fazem sentido. 
Sua relação com as duas outras camadas é assim, distante e confusa.

 
A segunda camada é a do Inferno Pessoal ou, como chamava Wilhelm Reich, a Camada Secundária. E a terceira é a do Eu Verdadeiro, do Eu Superior, da Criança Divina. O 
Pingo Divino que habita em nós. Ou, simplesmente, A Fonte.

Há pessoas que avançam no processo de evolução da consciência e passam a ter um contato mais direto com sua Camada Secundária. Com todos os bloqueios emocionais,
dores e carências não resolvidas do passado.
Já contatam seu Inferno Pessoal e isso é o primeiro Ato de Coragem, pois decidiram enfrentar o Primeiro Medo.

O Primeiro Medo não é o medo de si mesmo. Pois da mesma forma que não existe o "medo da felicidade", o "medo da vida" e o "medo do amor", não existe o medo de si mesmo, do Eu Verdadeiro, da Fonte.

O Primeiro Medo é o de não conseguir lidar com a dor que ficou arquivada em seu Inferno Pessoal.

Não nascemos com esse medo. Ele começa a ser inserido no ser humano durante o parto traumático desta civilização. Prossegue com a educação frustradora dos sonhos e com o processo de socialização. Esse processo de formação do medo de lidar com a dor – seja física ou emocional - é a base de toda a programação usada pelos psicopatas da elite dominante para escravizar o resto da humanidade.

Eles fazem essa programação, apertando nossos colhões e deixando a mão lá. De vez em quando, dão uma apertadinha para nos lembrar.

A elite dominante tornou Sigmund Freud conhecido porque ele fez uma descrição do Inferno Pessoal, como se fosse a  essência de nosso eu, servindo tal descrição para se 
acreditar que esta camada é parte de nosso ser. E, portanto, a única opção é controlá-la para conviver com ela. Ou seja, analisa, analisa e nunca se sai da merda.

Dois alunos de Freud, Wilhem Reich e Carl Jung, avançaram para a camada do Eu Verdadeiro. E Reich, como foi longe demais para tal elite, teve seus livros queimados
em praça pública, foi preso em 1950 e morreu na prisão.

Como doem os colhões

Não sei fazer uma descrição precisa para o público feminino a respeito de como doem nossos colhões. Para ilustrar, posso dizer que é terrível porque, se alguém os aperta,
perdemos nosso controle, pois não sabemos se o aperto vai aumentar nem se vai parar.

E é isso que nos programa e nos deixa temerosos. Depois da experiência traumaticamente dolorosa, já programados, nosso subconsciente evita que venhamos a assumir que aquela mão maldita ainda está ali, ameaçando apertá-los. E mais ainda, nosso subconsciente, evita que tomemos consciência que aquela mão tem um dono e que este dono é o FDP que nos escraviza.

Nosso subconsciente fica a favor do torturador obscuro da elite dominante. E passa a dissimular, fazendo-nos crer que somos escravizados por algo abstrato. Por um
abstrato "sistema de nossa civilização".
Não somos escravizados por algo abstrato. São pessoas que fazem isso de modo intencional, proposital e estratégico. São pessoas – não posso chamá-los de seres humanos – que são donos das mãos que apertam nossos colhões.

E o público feminino, apesar de não ter testículos – graças a Deus! – sofre a programação feita pela elite predadora da mesma forma que nós, os portadores.

É por causa desse medo subconsciente de ver as mãos do torturador, que as pessoas têm medo de olhar para o céu e perceber:

"Sim, é verdade! Não é teoria da conspiração de alguns maluquetes! Estão mesmo pulverizando veneno em nossos céus!"
Têm medo de confirmar que as trilhas químicas que geram câncer e Mal de Alzheimer não são as trilhas normais que os aviões deixam, ao condensar o vapor d’água.

Não! É mais fácil aceitar ser envenenado, quieto e calado, para não despertar a ira do dono daquela mão maldita. É mais fácil ter seus filhos envenenados, ter seus pais
envenenados, morrendo de doenças graves. É mais fácil aceitar tudo, desde que não seja aquela mão aumentando o aperto em seus colhões.

Também tenho medo que me apertem os colhões. Mas se não fosse pela covardia da maioria, os psicopatas da elite escravocrata é que teriam medo de bilhões de nós.
As pessoas são responsáveis ao optarem por não perceber. 
Não faz diferença fechar os olhos, quando os psicopatas da elite dominante apertam os nossos colhões. A dor não diminui. A vantagem de manter os "olhos abertos",
ou seja, de se manter desperto, percebendo o que está acontecendo e quem está fazendo acontecer é que você poderá fazer parte da estratégia de se libertar deste
pé no saco (mão no saco) que é essa elite torturadora que domina a civilização.

Mas vamos sair dessa segunda camada, pois a solução não está nela. E para dissolvê-la, precisamos sair dela. Sair "para dentro", não para fora. Sair para a camada interior, para o Eu Verdadeiro, para a Fonte.

O que de fato somos

Fomos criados para viver a maior parte do tempo na Fonte, ligados ao pingo divino que trazemos em nós. Essa é a nossa grandeza, como seres humanos. Por isso, a "elite 
apertadora dos colhões alheios" nos programa, criando a segunda camada, a do Inferno Pessoal. Para nos separar de nossa verdadeira grandeza, de nossa Fonte de Poder. Essa separação é a "Queda do Paraíso". Claro que desde milhares de anos esses psicopatas vêm alterando fontes de informações, inclusive livros sagrados. É papo furado que quando o homem acessou o conhecimento ou quando deu
sua primeira transada com Eva, caiu do paraíso. Eva precisaria ser muito mal de cama! Na verdade, é com Eva que podemos retornar ao paraíso. Não por dar uma transada, mas por viver uma relação de amor intensa, plena, com orgasmo total, envolvendo a sexualidade, a afetividade e a espiritualidade.

Por isso, a elite dominante banaliza o amor. Por isso, ela atua separando os impulsos sexuais dos impulsos afetivos. Separando a região da pelve da região do peito. Por exemplo, incentivando a barriga tanquinho, cronicamente 
contraída, impedindo a passagem da energia biológica. Por isso, atua para a separação e conflito do homem com a mulher. Porque um pode ser o estímulo para o outro retornar ao paraíso… Ou para criar raízes no Inferno Pessoal.

Quando se entra em êxtase, em estado de ampliação de consciência, entra-se em contato íntimo com o si mesmo e com o cosmos. A felicidade é inabalável e a percepção é livre porque, nesse momento, não há mãos agarradas, apertando nossos colhões.

Quem entrou em estado de êxtase, sabe o quanto o amor pode ser profundo. É capaz de olhar para os seres humanos (com mãos apertando…) e sentir compaixão. Mas tal como Jesus Cristo, pleno de raiva, sabe dar chicotadas no chão e dizer:"Desperta! Sai dessa covardia!"

Quando saímos do contato com a Fonte, permanecemos com a capacidade de ser percorridos pela avassaladora energia de vida e de amor. E, ao nos depararmos
com a injustiça – e como é injusto viver com mãos apertando nosso saco! – sentimos uma raiva tão avassaladora quanto o amor. Não é que não temos medo da dor, é que a energia emocional é muito intensa para ficarmos calados perante a injustiça.

Quem resgatou o poder de amar intensamente, também resgatou o de sentir raiva intensa. Mas não raiva assassina. É a raiva tal como o Criador nos presenteou: A raiva a favor da vida.

E, perante os hediondos crimes que a elite psicopata vem cometendo contra a humanidade, só um demente é capaz de sorrir. É muito insano não sentir raiva! Raiva não é o oposto de sabedoria. Demência, sim.

É preciso parar de andar pela rua, olhando para o chão ou para o celular! É preciso olhar para o céu, e ver o que estão fazendo todos os dias, em nossa cara. Pesquisem! Na Internet tem informações sérias sobre Chemtrails.
Já assistir televisão não é pesquisar, é apenas reforçar a programação.

Nós, que somos humanos de verdade, vamos vencer. Mas é possível que, antes, vamos perder. Porque chegamos muito perto do domínio global. No entanto, veja porque é importante que o máximo de pessoas despertem.

Porque precisamos informar ao Universo que queremos liberdade!

Menos de 1% da humanidade já é capaz de fazer o Universo ouvir nossa espécie e entender que estamos sérios em nosso propósito!

Temos poderosas forças sutis a nosso favor. Mas elas não 
desrespeitam nosso livre arbítrio. Nosso despertar é a resposta de que essas forças sutis precisam para se juntarem a nós.

E temos a poderosa força e orientação da Luz que, originada no Criador, às vezes vem a nós diretamente, às vezes, através de nossos semelhantes do plano espiritual. Você acha que Wilhem Reich parou de trabalhar em sua obra para a liberdade do ser humano? Que ele não continua a nos inspirar? Que Gandhi abandonou sua obra? Ou que John Lennon, mais um dos que foram assassinados a mando da elite escravocrata, não continua sua obra?

Estamos com as mãos da elite criminosa apertando nosso saco. Mas não  estamos sós. Este é um momento incrível de todas as vidas que já vivemos na Terra. Precisamos, como espécie, informar ao Universo qual é nossa vontade.

Fonte: Vitor Carvalho

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Aula de Mecânica Quântica

Lindo presente... para todas as crianças adultas e pequeninas que tenham a oportunidade abençoada de assistirem este vídeo...boto fé que a cada dia o amor só expande e aumenta em todos os corações...Feliz dia...por amor e cura, compartilhem

A consciência expandida é o melhor presente para todos os seres viventes hoje e sempre...

Vamos nos permitir ser a divina presença da inocência de puro amor onde o ego se rende a fonte infinita primordial e já não enxerga mais nenhuma separatividade em nada, pois, reconhece que TODOS SOMOS UM!



terça-feira, 8 de outubro de 2013

COM O QUE VOCÊ RESSOA?




Durante uma propaganda comercial de um novo filme, eu ouvi o locutor dizer: “Todos entrarão em ressonância com este filme.” Isto realmente atraiu a minha atenção, não porque eu achasse que o filme fosse bom, mas porque eles usaram a palavra “ressoar”. Isto significa estar alinhado com, na mesma frequência de, compartilhar uma vibração e é um termo que define os nossos novos modos de nos conectarmos com o outro. Ressonância é a nossa maneira de determinar como nos conectamos com pessoas e situações e com o que podemos nos conectar, porque agora, mais do que nunca, se não houver ressonância, não haverá possibilidade ou potencial para a conexão. 


 Quando todos estavam mais ou menos no mesmo nível energético e frequência, não pensávamos em ressonância e não havia realmente nenhuma razão para isto. Havia pessoas e situações para as quais éramos naturalmente atraídas e outras que evitávamos, coisas que nos faziam sentir bem ou mal, que gostávamos ou não. Mas, porque agora nos conhecemos como seres energéticos, a nossa consciência das diferentes frequências e vibrações, é muito mais forte. 

 A dádiva de nossa consciência energética intensificada é uma maior sensibilidade com as diferenças entre as frequências, bem como com a ilimitada oferta de frequências da qual podemos escolher. E este novo foco torna difícil, se não impossível, ressoar com o que não se equipara a nossa própria frequência energética. Isto leva todas as conexões ao nível de frequência e vibração, e é onde escolhemos quem pode ou não se conectar, com base com o que ressoamos. Para alguns, isto pode ser uma triste constatação que transcendemos a nossa ignorância de tudo da 3D, mas como nos “sentimos” em relação a alguém ou algo, ou como agimos anteriormente com base em nossos compromissos, responsabilidades ou obrigações? Agora, trata-se de ressonância e de energia, e cada conexão que fizermos estará em resposta a uma das duas questões: 

 1 – Será que eu ressoo com esta pessoa, lugar ou coisa? 

 2 – Será que esta pessoa (lugar ou coisa) pode estar em alinhamento com a minha energia e há um espaço para eles em meu campo energético ou espaço energético? 

No passado, gostaríamos de manter um espaço energético para aqueles com diferentes freqüências energéticas, dando-lhes uma oportunidade para que nos “alcançasse” ou atingissem um nível similar. 

 Não mais fazemos isto, porque as diferenças energéticas são muito grandes e a responsabilidade está em cada um de nós individualmente de escolhermos a nossa frequência e com o que ressoamos. Ao darmos a alguém a dádiva de mantermos o espaço energético para ele, foi algo que escolhemos fazer como parte do nosso caminho de cura com ele, mas é algo que não mais podemos fazer, porque isto interfere com o seu caminho e com o nosso também. Estamos agora no fundo de uma transição que somente tem um movimento para frente. Não há como voltar atrás e não há nenhum retorno a que recorrer. 

 Os aspectos mais densos dos paradigmas da 3D se foram e mais deles estão caindo a cada momento. Eles estão sendo substituídos por um novo conjunto de paradigmas de frequência mais elevada e mais leve, que estão disponíveis para que investiguemos e escolhamos o que corresponde a nossa energia e com o que ressoamos. É por isto que não mais mantemos o espaço energético para outros, porque eles não podem escolher o que ressoa com eles. Eles escolherão o que ressoa com a pessoa que está mantendo o espaço para eles. E isto é algo que eles não podem sustentar, não tem valor e nem significado para eles, não ressoa com eles, com o seu caminho de vida, com a sua energia ou propósito de vida. A Ressonância é um aspecto da multidimensionalidade que devemos aprender a usar. É parte de nosso paradigma da Nova Terra e é o ponto a partir do qual iremos criar tudo em nossa vida, a partir deste ponto em diante. 

 Será cada vez mais difícil para nós estarmos conscientes, escolhermos e nos conectarmos com algo com que não ressoamos. Quando usarmos a ressonância para fazermos as nossas escolhas, lembremo-nos de que tudo é energético e que ao fazermos escolhas que se baseiam na ressonância nos mantêm no âmbito de nossa intenção, de modo que tudo que manifestamos é um aspecto de nossas intenções mais poderosas, mais sinceras para nós e para a nossa vida. 

 Mensagem de Jennifer Hoffman 

Tradução: Regina Drumond

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Buraco de Minhoca




Quando falamos em portais interdimensionais os newtonianos pira!
Diante da irreversibilidade do fato, a NASA, sabedora que é da existência deles, está soltando em doses homeopáticas esta verdade.
Estão começando a admitir a existência do buraco de minhoca, citado pela primeira vez pelo físico teórico estadunidense John Archibald Wheeler em 1957.


É através destes "buracos" que as naves estelares ou espaciais viajam.
Toda estrela é um portal interdimensional, e o nosso Sol incluído, claro.


Abraços Quânticos.



<><><><><><><><><><><><>




Cientistas da Nasa tentam determinar se viagem mais rápida do que a luz é possível


Na sede do Centro Espacial Johnson, Harold White e outros engenheiros da Nasa vêm redesenhando diversos instrumentos --um laser, uma câmera e pequenos espelhos-- com o objetivo de usá-los para distorcer a trajetória de um fóton, alterando a distância que ele percorre em determinada área.

Tralhando em um laboratório imune a vibrações, construído especialmente para esse fim, a equipe está tentando determinar se uma viagem mais rápida do que a luz poderia ser possível. Dobra espacial. Como em "Star Trek".

"O espaço vem se expandindo desde o Big Bang, há 13,7 bilhões de anos", disse White, 43, físico e engenheiro de propulsão avançada que dirige o projeto de pesquisa. "Sabemos, ao examinar alguns modelos cosmológicos, que houve períodos iniciais do Universo em que ocorreu uma inflação explosiva, onde dois pontos teriam se afastado mutuamente a velocidades muito elevadas."

"A natureza é capaz de fazer isso. Então a pergunta é se podemos fazer o mesmo."

"Não excederás a velocidade da luz", postulou Einstein, o que basicamente significa impor um limite galáctico de velocidade.

Mas, em 1994, o cientista mexicano Miguel Alcubierre teorizou que velocidades superiores à da luz seriam possíveis sem contradizer Einstein.


A teoria de Alcubierre envolvia o aproveitamento da expansão e da contração do espaço. Sob essa hipótese, uma nave continuaria sem poder exceder a velocidade da luz numa região específica do espaço. Mas um sistema teórico de propulsão que ele esboçou manipulava o espaço-tempo ao gerar uma "bolha de dobra" que expandiria o espaço num lado da nave e o contrairia no lado oposto.

"Dessa forma, a nave espacial será empurrada pelo próprio espaço-tempo para longe da Terra e puxada na direção de uma estrela distante", escreveu ele.

Mas o estudo de Alcubierre era puramente teórico e sugeria obstáculos intransponíveis. Ele dependia, entre outras coisas, de enormes quantidades de um tipo de "matéria exótica" que violasse as leis típicas da física.

White acredita que os avanços obtidos por ele e por outros tornaram menos implausível o conceito de dobra espacial. Entre outras coisas, ele redesenhou a nave espacial teórica capaz de viajar nessas dobras --e em especial o anel ao seu redor, que é crucial para o sistema de propulsão-- de uma forma que ele acredita que reduziria grandemente as exigências energéticas.

Ele se apressa em apresentar ressalvas, dizendo que sua pesquisa está apenas tentando provar que uma microscópica bolha de dobra pode ser detectada em um laboratório. "Não estamos atrelando isso a uma nave espacial."

Teoricamente, uma dobra espacial poderia reduzir o tempo de viagens interestelares de dezenas de milhares de anos para semanas.

"Minha opinião pessoal é de que essa ideia ainda é maluca", disse Edwin Taylor, ex-editor da revista "The American Journal of Physics" e pesquisador sênior do Instituto de Tecnologia de Massachusetts. "Confira comigo daqui a alguns séculos."

Mas o físico Richard Obousy, presidente da ONG Icarus Interstellar, composta por voluntários que colaboram no projeto de uma nave espacial, disse que não se trata de um simples devaneio. "Tendemos a superestimar o que podemos fazer em curtas escalas de tempo, mas acho que subestimamos enormemente o que podemos fazer em escalas temporais mais prolongadas", disse ele sobre o trabalho de White, que é seu amigo e colaborador da Icarus.

O astrofísico Neil deGrasse Tyson, do Museu Americano de História Natural, disse que a viabilidade das viagens interestelares dependeria de algum salto para além da nossa atual tecnologia.

"Na minha leitura", disse ele, "a ideia de uma dobra espacial que funcione continua sendo inconcebível, mas o importante é que as pessoas estão pensando a respeito -lembrando a todos nós que a ânsia por explorar continua correndo fundo na nossa espécie".


The New York Times


Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/2013/09/1335900-cientistas-da-nasa-tentam-determinar-se-viagem-mais-rapida-do-que-a-luz-e-possivel.shtml

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

A verdade sobre o DNA LIXO



“Nosso DNA é um biocomputador”, dizem cientistas russos.
Pesquisas científicas poderão explicar os fenômenos como a clarividência, a intuição, atos espontâneos de cura e auto cura e outros.

Quando cientistas começaram a desvendar o mundo da genética, compreenderam a utilidade de apenas 10% do nosso DNA.
O restante (90%) foi considerado “DNA LIXO”, ou seja: sem função alguma para o corpo humano.
Porém, este fato foi motivo de questionamentos, pois alguns cientistas não acreditaram que o corpo físico traria algum elemento que não tivesse alguma utilidade.
E foi assim que o biofísico russo e biólogo molecular Pjotr ​​Garjajev e seus colegas iniciaram pesquisas com equipamentos “de ponta”, com a finalidade de investigar os 90% do DNA não compreendido.
E os resultados apresentados são fantásticos, atingindo aspectos antes considerados “esotéricos” do nosso DNA.

Antes de continuar, ATENÇÃO:
Este é um breve resumo, em linguagem não científica, sem a pretensão de ser um tratado científico. Se você gosta de uma linguagem mais científica, de conhecer relatórios de pesquisas e de “ler para crer”, referências estão ao longo deste texto e ao final do mesmo.
Não deixe abrir os links e aventurar-se nas leituras. São interessantíssimas, vão muito além deste breve resumo.

Deseja debater e questionar a teoria e referidas pesquisas?Clique aqui para contatar Dr. Pjotr ​​Garjajev, PhD

AS EVIDÊNCIAS DAS PESQUISAS

1. O DNA tem propriedade telepática? Hipercomunicação do DNA
A partir das últimas pesquisas, cientistas concluíram que o nosso DNA é receptor e transmissor de informações além tempo-espaço.
Segundo essas pesquisas, o nosso DNA gera padrões que atuam no vácuo, produzindo os chamados “buracos de minhoca” magnetizados. São “buracos de minhocas” microscópicos, semelhantes aos “buracos de minhocas” percebidos no Universo.
Estudos sobre “buracos de minhocas” (Pontes de Einstein-Rosen) estão sendo aprofundados com a intenção de comprovar que os mesmos funcionam como pontes ou túneis de conexões entre áreas totalmente diferentes no universo, através das quais a informação é transmitida fora do espaço e do tempo.
Para pesquisadores, o DNA atrai informação e as passa para as células, uma função que os cientistas consideram como a internet do corpo físico, porém mais avançada que a internet que entra em nossos computadores.
Em pesquisas realizadas no Departamento de Química do “Imperial College London“ observou-se que há interações entre duas cadeias simples de DNA em sequências homólogas (similares) e estão investigando os possíveis mecanismos de reconhecimento e interações entre DNAs homólogos à distância.
Se esta e outras hipósteses similares forem comprovadas, significará que o DNA possui propriedades semelhantes ao que se poderia chamar de “telepatia interespacial e interdimensional”.
Em outras palavras, cientistas pesquisam a Hipercomunicação do DNA, partindo da ideia de que o DNA está aberto á diversos níveis de comunicação.
Pesquisas relacionadas à Hipercomunciação do DNA poderão explicar os mecanismos de fenômenos medíunicos como clarividência, cura á distância, intuição, telepatia, atos espontâneos de cura, auto cura e outros.
Na natureza, a hipercomunicação foi aplicada com sucesso por milhões de anos, organiznando fluxo de vida nos reinos dos insetos, por exemplo.

2. Reprogramação do DNA através da mente e das palavras
O grupo de Garjajev descobriu também que o DNA possui uma linguagem própria, contendo uma espécie de “sintaxe gramatical” própria, semelhante á gramática da linguagem humana, levando-os a investigar mais profundamente sobre a influência das palavras, da luz (laser) e do som sobre o DNA.
Estão verificando que o DNA responde bem a estas interferências, mostrando que o mesmo se altera diante de certas frequências, assumindo novos padrões.

Um “a parte”: Unindo ciência com a espiritualidade
Permita-me uma junção: estas foram descobertas impressionantes, pois nos lembra os ensinamentos (a nós, espiritualistas) dos hindus sobre os mantras, das afirmações positivas, dos Decretos da Grande Fraternidade Branca, do envio de Luz à distância e tantos outros.
Ensinamentos estes que nos dizem que ao qualificarmos postitivamente a nossa linguagem verbal, o nosso pensamento e as imagens geradas por nosso pensamento, o DNA (e todo o Ser) se reprogramará, aceitando uma nova ordem e uma nova regra, a partir da ideia que está sendo transmitida.
Uma indicação: vale a pena ler o livro: “As Chaves de Enoch“,  onde J.J. Hurtak explica de forma maravilhosa e completa essa união entre ciência e espiritualidade, abordando especialmente a interferência sonora sobre nossas moléculas.

Voltando aos cientistas
Os cientistas russos estão sendo capazes de reprogramar o DNA em organismos vivos, usando as frequências de ressonância de DNA corretas e estão obtendo resultados bastante positivos, especialmente na regeneração do DNA danificado!
Porém, essas pesqusias estão ainda em suas fases iniciais, mas já é possível vislumbrar grandes avanços para a saúde humana.
Utilizam a Luz Laser codificada para transmitir informações corretas ao DNA.

3. O DNA responde á interferências da Luz Laser
Continuando nessa linha de pesquisas, o pesquisador russo Dr. Vladimir Poponin, colocou o DNA em um tubo e enviou feixes de Luz Laser através dele. Quando o DNA foi removido do tubo, a Luz Laser continuou a espiralar no DNA e a irradiar, formando como que “pequenos chacras”.
O DNA mostrou-se agir como um cristal quando faz a refração da Luz, concluindo que o DNA mantém e irradia a Luz que recebe.
Esta descoberta está levando os cientistas a investigarem com maior profundidade a formação dos campos eletromagnéticos ao redor do DNA, o que possivelmente levará a uma maior compreensão sobre os campos eletromagnéticos ao redor das pessoas (aura), assim como também poderálevar ao entendimento das irradiações emitidas por curadores e sensitivos,partindo do pressuposto de que as mesmas acontecem segundo esse mesmo padrão observado no DNA: receber e irradiar, manter a Luz e assumir novos padrões.

Mais um “a parte” fora da ciência: Assuma o Comando do seu Ser!
Apesar de estarmos apenas começando, as pesquisas continuam – e se aprofundam, dia-a-dia. Vemos que muitos aspectos interessantes estão sendo desvendados. Os pesquisadores acreditam que ainda estão por descobrir muito mais.
Por enquanto, pelo sim, pelo não, as evidências científicas nos estimulam a continuarmos com as técnicas de afirmações positivas, cuidando dos nossos pensamentos e das imagens por geradas na mente, a fim de que as nossas transmissões sejam correspondentes a saúde, ao bem estar e a harmonia, enviadas não apenas ao DNA como também para todo o Ser!
Tenho certeza de que o nosso DNA agradece por suas informações positivas transmitidas a ele!
Que tal melhorar as suas transmissões verbais e mentais?
Comunique-se positivamente com seu corpo e reprograme seu DNA, enviando-lhes as frequências corretas!




segunda-feira, 29 de julho de 2013

Discurso da Dissolução




A Ordem da Estrela no Oriente foi fundada em 1911 para proclamar o advento do Instrutor do Mundo. Krishnamurti fora nomeado o Dirigente da Ordem. Em 3 de agosto de 1929, dia da abertura do Acampamento Anual da Estrela, em Ommen, Holanda, Krishnamurti dissolveu a Ordem diante de 3.000 membros. Abaixo está o texto completo da palestra que ele deu naquela ocasião.



“Vamos discutir nesta manhã a dissolução da Ordem da Estrela. Muitas pessoas ficarão encantadas, enquanto outras ficarão um tanto tristes. Não é uma questão nem para júbilo nem para tristeza, porque é inevitável, como eu vou explicar. “É possível que vocês se lembrem da história de como o diabo e um amigo dele estavam descendo a rua quando viram à sua frente um homem se agachar e pegar algo do chão, dar uma olhada e colocar no bolso. O amigo perguntou ao diabo: “Que foi que o homem pegou?” “Ele pegou um pedaço da verdade”, respondeu o diabo. “Isso é um negócio muito ruim pra você, então”, disse o amigo dele. “Oh, de modo algum”, retrucou o diabo, “Vou deixar que ele a organize”.
Eu afirmo que a Verdade é uma terra sem caminhos, e vocês não podem alcançá-la por nenhum caminho, qualquer que seja, por nenhuma religião, por nenhuma seita. Este é o meu ponto de vista, e eu o confirmo absoluta e incondicionalmente. A Verdade, sendo ilimitada, incondicionada, inacessível por qualquer caminho que seja, não pode ser organizada; nem pode qualquer organização ser constituída para conduzir ou coagir pessoas para qualquer senda particular. Se vocês logo compreendem isso, verão o quanto é impossível organizar uma crença. Uma crença é algo puramente individual, e vocês não podem e não devem organizá-la. Se o fizerem, ela se torna morta, cristalizada; torna-se um credo, uma seita, uma religião a ser imposta aos outros. Isto é o que todos estão tentando fazer mundo afora. A Verdade é restringida e usada como joguete por aqueles que são fracos, por aqueles que estão apenas momentaneamente desgostosos. A Verdade não pode ser rebaixada, mas, em vez disso, deve o indivíduo fazer esforço para ascender até ela. Vocês não podem trazer o topo da montanha para o vale. Se querem atingir o cume da montanha, vocês devem atravessar o vale e escalar as escarpas sem medo dos perigosos precipícios.
Portanto, esta é a primeira razão, do meu ponto de vista, pela qual a Ordem da Estrela deva ser dissolvida. Nada obstante, vocês provavelmente formarão novas Ordens, continuarão a pertencer a outras organizações em busca da Verdade. Eu não quero pertencer a nenhuma organização do gênero espiritual, por favor, compreendam isto. Eu faria uso de qualquer organização que me levasse a Londres, por exemplo; isso é um tipo bastante diferente de organização, meramente mecânica, como o correio e o telégrafo. Eu usaria um automóvel ou um vapor para viajar, esses são apenas mecanismos físicos, os quais nada têm a ver com espiritualidade. Novamente, eu sustento que nenhuma organização pode conduzir o homem à espiritualidade.
Se uma organização for criada com esse propósito, ela se transforma numa muleta, um ponto fraco, uma dependência, incapacita o indivíduo, e impede-o de crescer, de estabelecer sua singularidade, que reside na descoberta que ele deve fazer – por si mesmo - daquela Verdade absoluta, não condicionada. Esta é, portanto, outra razão pela qual eu decidi, uma vez que aconteceu de ser eu o Dirigente da Ordem da Estrela, dissolvê-la. Ninguém persuadiu-me a tomar esta decisão. Isto não é nenhuma grande façanha, porque eu não quero seguidores, deixo isso claro. No momento em que vocês seguem alguém, deixam de seguir a Verdade. Não estou preocupado em saber se vocês prestam atenção ao que eu digo ou não. Eu quero fazer determinada coisa no mundo e eu vou fazê-la com resoluta concentração. Estou interessado somente numa coisa essencial: libertar o ser humano. Eu desejo libertá-lo de todas as prisões, de todos os temores, e não fundar religiões, novas seitas, nem estabelecer novas teorias e novas filosofias. Então vocês naturalmente me perguntam por que eu sigo mundo afora, falando continuamente. Eu lhes direi por que razão eu faço isso: não porque eu deseje seguidores, não porque eu queira um grupo especial de discípulos especiais. (Como os homens gostam de ser diferentes de seus semelhantes, por ridículas, absurdas e banais que suas distinções possam ser! Eu não quero encorajar esse disparate). Não tenho discípulos ou apóstolos, quer na terra quer no reino da espiritualidade. “Não é a sedução do dinheiro nem o desejo de viver uma vida confortável o que me atrai. Se eu quisesse uma vida confortável eu não teria vindo a um acampamento ou a viver num país úmido. Estou falando francamente porque quero isso estabelecido de uma vez por todas. Não quero essas discussões pueris ano após ano.
Um jornalista que me entrevistou considerou uma façanha o ato de dissolver uma organização na qual havia milhares e milhares de membros. Para ele isso foi um grande feito, porque ele disse: “O que você fará doravante, como você viverá? Você não terá nenhum séquito, as pessoas não mais o ouvirão”. Se houver apenas cinco pessoas que ouçam, que tenham suas faces voltadas para a eternidade, isso será suficiente. De que serve ter milhares de pessoas que não compreendem, que estão totalmente imersas em preconceito, que não querem o novo, mas que até mesmo traduziriam o novo para satisfazerem seus próprios eus estéreis e estagnados? Se eu falo de forma contundente, por favor, não me entendam mal, não é por falta de compaixão. Se vão um cirurgião para uma operação, não seria bondade da parte dele operar mesmo que lhes cause dor? Da mesma forma, se eu falo de maneira direta, não é por falta de afeto verdadeiro – pelo contrário.
Tal como disse, tenho um só propósito: tornar o homem livre, impulsioná-lo para liberdade, auxiliá-lo a romper com todas as limitações, por que somente isso lhe dará felicidade eterna, lhe dará a incondicionada realização do ser.
Porque eu sou livre, incondicionado, completo, não a parte - não a relativa mas a Verdade inteira que é eterna – eu desejo que aqueles que buscam compreender-me sejam livres: não que me sigam, não que façam de mim ma prisão que se transforme em religião, uma seita. Ao contrário, eles deveriam estar livres de todos os medos, do medo da religião, do medo da salvação, do medo da espiritualidade, do medo do amor, do medo da morte, do medo da própria vida. Assim como um artista pinta um quadro porque se deleita com essa pintura, porque ela é sua autoexpressão, sua glória, seu bem-estar, assim faço isso, e não porque eu queira algo de alguém. “Vocês estão acostumados com a autoridade, ou com a atmosfera de autoridade, a qual vocês acham que os conduzirá à espiritualidade. Vocês pensam e esperam que alguém possa, por meio de seus extraordinários poderes – um milagre – transportá-los a esse reino de eterna liberdade que é a Felicidade. Toda sua concepção de vida está baseada nessa autoridade.
Vocês têm-me ouvido por três anos, sem que qualquer mudança tenha ocorrido, exceto em uns poucos. Analisem agora o que eu estou dizendo, sejam críticos, de forma que vocês entendam radicalmente, fundamentalmente. Quando vocês procuram uma autoridade que os conduza à espiritualidade, vocês são automaticamente instados a construir uma organização em torno daquela autoridade. Pela simples criação de tal organização, a qual, vocês pensam, auxiliará essa autoridade a conduzi-los à espiritualidade, vocês estão encerrados numa prisão.
Se falo com franqueza, por favor, lembrem-se de que assim o faço não por aspereza, não por crueldade, não por entusiasmo do meu propósito, mas porque eu quero que vocês entendam o que eu estou dizendo. Esta é a razão porque vocês estão aqui, e seria uma perda de tempo se eu não explicasse claramente, decisivamente, meu ponto de vista. “Por dezoito anos vocês vêm-se preparando para este evento, para a Vinda do Instrutor do Mundo. Durante dezoito anos vocês se organizaram, procuraram alguém que desse um novo deleite para seus corações e mentes, que transformasse toda a sua vida, que lhes desse uma nova compreensão; por alguém que os alçasse a um novo plano de vida, que lhes desse um novo alento, que os libertasse – mas agora, vejam o que está acontecendo! Reconsiderem, ponderem consigo mesmos, e descubram de que maneira essa crença os tornou diferentes – não com a diferença superficial de usar de um crachá, que é banal, absurda. De que maneira tal crença lhes varreu da vida todas as coisas inessenciais? Essa é a única maneira de ponderar: de que modo vocês estão mais livres, mais nobres, mais perigosos para qualquer Sociedade que seja baseada no falso e no inessencial? De que maneira os membros desta organização da Estrela tornaram-se diferentes? Como eu disse, vocês vêm-se preparando para mim durante dezoito anos. Não me importa se vocês acreditam que eu sou o Instrutor do Mundo ou não. Isto tem muito pouca importância. Desde que vocês pertencem à organização da Ordem da Estrela, vocês têm dado seu apoio, sua energia, reconhecendo que Krishnamurti é o Instrutor do Mundo – parcial ou inteiramente: totalmente, por aqueles que estão realmente buscando, apenas parcialmente por aqueles que estão satisfeitos com suas próprias meias verdades.
Vocês vêm-se preparando por dezoito anos, e vejam quantas dificuldades há no processo de sua compreensão, quantas complicações, quantas coisas vulgares. Seus preconceitos, seus temores, suas autoridades, suas igrejas, novas e antigas, tudo isso, afirmo, são uma barreira para a compreensão. Não consigo fazer-me mais claro do que isso. Não quero que concordem comigo, não quero que me sigam, quero que entendam o que eu estou dizendo. “Essa compreensão é necessária porque sua crença não os transformou, mas apenas os complicou, e porque vocês não estão dispostos a enfrentar as coisas como elas são. Vocês querem ter seus próprios deuses, - novos deuses em vez dos antigos, novas religiões no lugar das antigas, novas fórmulas no lugar das antigas, todos igualmente sem valor, todos barreiras, todos limitações, todos muletas. No lugar de velhas preferências espirituais vocês têm novas preferências espirituais, em vez de antigas adorações vocês têm novas adorações. Todos vocês dependem, para sua espiritualidade, para sua felicidade, para sua iluminação, de outra pessoa; e nada obstante vocês estejam se preparando para mim por dezoito anos, quando eu digo que essas coisas são inúteis, quando eu digo que vocês devem jogá-las fora e olhar para dentro de vocês próprios para a iluminação, para a glória, para a purificação, e para a incorruptibilidade do ser, nenhum de vocês está disposto a fazê-lo. Pode haver uns poucos, mas muito, muito poucos. Então, por que se ter uma organização?
Por que ter pessoas falsas, hipócritas me seguindo, a personificação da Verdade? Por favor, lembrem-se de que não estou dizendo algo cruel ou indelicado, mas chegamos a uma situação em que vocês têm que enfrentar as coisas como elas são. Eu disse no ano passado que não transigiria. Muito poucos me ouviram, então. Este ano eu tornei isso absolutamente claro. Eu não sei como milhares de pessoas mundo afora – membros da Ordem – têm-se preparado para mim durante dezoito anos, e ainda agora não querem escutar incondicionalmente, inteiramente o que eu digo.
Tal como disse antes, meu propósito é tornar o ser humano incondicionalmente livre, daí eu reafirmo que a única espiritualidade é a incorruptibilidade do eu que é eterno, é a harmonia entre razão e amor. Esta é a absoluta, incondicionada Verdade que é a própria Vida. Quero, por isso, libertar o ser humano, exultante como o pássaro no céu claro, aliviado, independente, extático nessa liberdade. E eu, para quem vocês estão se preparando por dezoito anos, digo agora que vocês devem estar livres de todas essas coisas, livres de suas complicações, suas confusões. Para isto vocês precisam não possuir uma organização baseada em crença espiritual. Por que ter uma organização para cinco ou dez pessoas no mundo que compreendem, que estão batalhando, que puseram de lado todas as coisas banais? E para as pessoas frágeis não pode haver organização nenhuma que as ajude a encontrar a Verdade, porque a verdade está dentro de todos; ela não está longe nem perto; está eternamente aí.
Organizações não podem torná-los livres. Nenhum homem de fora pode torná-los livres; nem o pode o culto organizado, nem a imolação de vocês mesmos por uma causa os torna livres; nem enfileirando-se em uma organização, nem lançando-se em trabalhos, os torna livres. Vocês usam uma máquina de escrever para escrever cartas, mas vocês não a colocam em um altar e a adoram. Mas é isto que vocês estão fazendo quando as organizações tornam-se seu principal interesse.
“Quantos membros ela tem?” Esta é a primeira pergunta que me fazem os jornalistas. “Quantos seguidores você tem? Pelo número deles julgaremos se o que você diz é verdadeiro ou falso”. Não sei quantos eles são. Não estou preocupado com isso. Como disse, se houvesse mesmo um que se tenha tornado livre, isso seria suficiente.
De novo, vocês têm a ideia de que somente determinadas pessoas possuem a chave do Reino da Felicidade. Ninguém a possui. Ninguém tem a autoridade para possuir tal chave. Essa chave é seu próprio eu, e no desenvolvimento e na purificação e na incorruptibilidade desse eu particular está o Reino da Eternidade.
Então vocês verão como é absurda toda a estrutura que vocês construíram, procurando ajuda externa, dependendo de outros para o seu consolo, sua felicidade, para sua força. Estes somente podem ser encontrados dentro de vocês mesmos.
Vocês estão acostumados a que lhes digam o quanto vocês avançaram, qual é sua posição espiritual. Quanta infantilidade! Quem além de você mesmo pode dizer se você está bonito ou feio por dentro? Quem além de você mesmo pode dizer se você é incorruptível? Vocês não são sérios nessas coisas.
Mas aqueles que realmente desejam compreender, aqueles que estão tentando encontrar o que é eterno, sem começo e sem fim, caminharão juntos com uma intensidade maior, serão um perigo para tudo que não seja essencial, para fantasias, para obscuridades. E eles se concentrarão, eles se tornarão luz, porque compreendem. Tal união nós devemos criar, e este é o meu propósito. Por causa dessa real compreensão, haverá verdadeira solidariedade. Por causa dessa verdadeira solidariedade – que vocês não parecem conhecer - haverá verdadeira cooperação da parte de cada um. E isto não devido à autoridade, não por causa da salvação, não devido à imolação por uma causa, mas porque vocês realmente compreendem, e então são capazes de viver no eterno. Isso é uma coisa mais elevada que qualquer prazer, que qualquer sacrifício.
Essas são, portanto, algumas das razões porque, após cuidadosa consideração durante dois anos, eu tomei esta decisão. Não foi um impulso momentâneo. Não fui persuadido a isso por ninguém. Não me persuadem em tais coisas. Durante dois anos tenho pensado sobre isto, morosamente, cuidadosamente, pacientemente, e agora decidi dissolver a Ordem, uma vez que aconteceu ser eu seu Dirigente. Vocês podem formar outras organizações e esperar por outra pessoa. Não estou preocupado com isso, nem com a criação de novas prisões, novas ornamentações para esses cárceres. Meu único interesse é tornar o ser humano absolutamente, incondicionalmente livre.