A maioria das pessoas vive física, intelectual ou moralmente, num círculo muito restrito do seu ser potencial. Elas fazem uso de uma parte muito pequena de sua consciência possível.


( William James)


domingo, 26 de dezembro de 2010



No rio, tomando sol, havia um crocodilo jovem, deitado numa pedra.

Ele tinha uma expressão bem séria pois, é muito sério ser crocodilo! O crocodilo é um animal pré-histórico, é um predador carnívoro, um matador de sangue-frio e descendente direto dos dinossauros. Ele parece pensar nessa grande responsabilidade, quando, de repente, uma bela e formosa borboleta vermelha pousou no seu focinho.


No começo, ele ficou indignado. Será que ela não tinha notado que ele estava mergulhado em seus pensamentos? Que estava ocupado demais com assuntos sérios? Mas ela parecia alheia a isso, e a cada respiração dele, ela voava e depois retornava delicadamente, roçando o focinho dele com suas asas macias e aveludadas. Ele respirava de novo, ela voava e voltava, delicadamente.

Isso se tornou uma meditação para o crocodilo, e a energia mudou completamente. Ele ficou fascinado pela beleza e delicadeza da borboleta e a energia do amor começou a surgir entre eles.

Então, ele deu um sorriso. Ele não era mais um crocodilo e ela não era mais uma borboleta. Eles se tornaram um só, unidos pelo amor.


Essa é a natureza do amor que permeia tudo o que existe. Quando a humanidade colocar de lado suas diferenças, e retornar a perfeição do UM, nós vivenciaremos a harmonia e a paz neste planeta. Mas antes, isso tem que começar no nosso coração. O mundo ideal está dentro do nosso próprio coração.

Não há nada a ser modificado no exterior, só precisamos nos curar..



Fonte: Revolução da Consciência -Uma nova visão de vida (ISHA)

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

''Vida que cura é vida verdadeira,transparente,que olha olho no olho,que sente coração a coração,que não cria mecanismo de desculpas e de fuga nem autojustificação para ocultar a realidade,mas que deixa vir a tona. Fazer este percurso é muito doloroso,porque nenhum de nós gosta de conviver com o lado menor,o que nos envergonha e nos humilha. É o nosso lado e devemos assumi-lo para então,sim,podermos ser mais humanos."

Leonardo Boff

Silêncio

O silêncio não faz de um tolo um mestre.
Essa é uma estranha afirmação de um buda, porque o silêncio tem sido sempre muitíssimo louvado; mas Buda diz a verdade como ela é. Ele não se importa com a tradição.Na Índia, o silêncio tem sido uma das qualidades mais louvadas, durante séculos. O monje jaina é chamado de muni – muni quer dizer “o silencioso”. Todo o seu esforço é para ficar calado, cada vez mais calado. Mas Buda diz: “Mas não seja tolo, só o silêncio não vai adiantar”. Ele pode ajudá-lo a manter sua tolice para si mesmo, mas a tolice irá se acumulando e, mais cedo ou mais tarde, ela será excessiva. Ela acabará transbordando e é melhor deixá-la sair em pequenas doses todos os dias, em vez de acumulá-la e depois vê-la causar uma enchente.


É isso que também tenho observado. As pessoas que ficam caladas por muito tempo tornam-se muito burras, porque seu silêncio é somente na superfície. Lá no fundo, há agitação. Lá no fundo, elas são as mesmas pessoas, com ambição, ciúme, inveja, ódio, violência – inconscientes, com todas as espécies de desejos. Talvez agora elas sejam desejosas de outro mundo, ambicionem o outro mundo, pensado mais em paraíso do que neste mundo e na terra. Mas é a mesma coisa, projetada numa tela maior, projetada na eternidade. Na verdade, a ambição cresceu milhares de vezes. Primeiramente, era por pequenas coisas: dinheiro, poder, prestígio. Agora é por Deus, pelo samadhi, pelo nirvana. Ela ficou mais condensada e mais perigosa.
Então, o que é preciso fazer? Se o silêncio não pode fazer de um tolo um mestre, então o que pode fazer de uma pessoa um mestre? Consciência. E o milagre é que, se você se torna consciente, o silêncio te persegue como uma sombra.

Mas, nesse caso, o silêncio não é praticado – ele vem por conta própria. E, quando o silêncio vem por conta própria, ele tem uma tremenda beleza em si. Ele é vivo, ele tem uma canção no seu âmago mais profundo. Ele é amoroso, ele é bem-aventurado. Ele não é vazio; ao contrário: é plenitude. Você fica tão cheio, que pode abençoar o mundo todo e, ainda assim, sua fontes continuam inesgotáveis; você continua dando e não será capaz de esgotar a fonte. Mas isso acontece por meio da consciência.

Essa é a verdadeira contribuição de Buda – sua ênfase na consciência.
O silêncio se torna secundário, o silêncio se torna uma consequência. A pessoa não faz do silêncio a meta – a meta é a consciência.



FONTE: Do Livro A descoberta do Buda – OSHO – pags. 94 e 95

domingo, 19 de dezembro de 2010

Fragmentos do livro VIDA SIMPLES, PENSAMENTO ELEVADO (BHAKTIVEDANTA SWAMI PRABHUPADA)

''O auge da qualidade da ignorância é a fabricação das ''necessidades da vida'' em indústrias e oficinas, excessivamente importantes na era de Kali (ou era das máquinas). por que? 'porque na realidade, não há necessidade das mercadoris manufaturadas.'

''Qual a necessidade de uma vida artificial e luxuosa de carros, rádio, muito dinheiro, carne e hotéis? acaso esta civilização produziu algo além das desavenças individuais e nacionais?Estaria esta civilização promovendo a igualdade e fraternidade ao enviar milhares de homens a fábricas infernais e aos campos de batalha por causa dos caprichos de um homem particular?''

Ao contrários da crença popular, estátisticas atuais mostram que a terra produz alimentos suficientes para facilmente manter toda a sua população. Contudo, a cobiça e a exploração forçam mais de vinte e cinco por cento da população do mundo a permanecer subalimentada e subnutrida.

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

FIQUE NO SEU MELHOR SEMPRE




Ultimamente tenho percebido como os pensamentos das pessoas estão se realizando de uma hora para outra..praticamente instantaneamente. As emoções e energias da maioria estão borbulhando como uma imensa panela de pressão coletiva. Estamos muito sensíveis pois muita coisa está mudando ultimamente por mais que a maioria siga desnorteada com suas vidas regradas no dia a dia como robôs, ainda não percebam. Muita energia sútil está a nossa volta e os sinais estão cada vez mais vísiveis..sinais de que algo grande está para ocorrer. Deus é tudo, é o cosmos e nós fazemos parte deste tudo porque somos tudo, e esta consciência cósmica de unicidade é a chave para entender quem somos nós neste momento planetário. Estes dias ouvi algo que me fez refletir por horas, um amigo me disse que estamos sempre no lugar certo, na hora certa, com os acontecimentos certos para nosso crescimento interior.






Tudo a nossa volta realmente parece estar a mil por hora, as pessoas estão mais falantes do que nunca e é triste perceber quantas palavras vazias na maioria das vezes..estar cheio de vazio hehe como pode?! mas quase ninguém sabe a dadiva do silêncio na maioria das vezes.O silêncio que nos leva a compreensão da nossa real capacidade de realização e nos faz ter o entendimento de que se permanecermos no nosso melhor sempre, do nosso lado sem entrar na energia densa do mundo, do caos mental coletivo ''programado'', com certeza iremos cada vez mais acumular energia pura para nos abastecer nos momentos que mais vamos precisar..entender que estamos neste mundo a trabalho mesmo que quietinhos simplesmente vibrando amor e paz sempre, independente do ambiente em que estivermos, independente das pessoas que estiverem em nossas vidas, aprender a deixar cada coisa em seu devido lugar. Se energias densas chegarem até nós, simplesmente temos a escolha de permanecermos no nosso melhor, na nossa luz e então direcionar estas energias de volta para seu devido dono. Tudo é uma questão mental e Não somos obrigados a nos sobrecarregar de energia alheia densa. Permaneça sempre no seu melhor vibrando amor e luz, mesmo que o caminho na maioria das vezes seja solitário.






Isto me lembrou uma parábola que Buda disse uma vez.. Um discípulo certa vez vendo um homem chutar e cuspir em Sidarta o Buda, se revoltou e queria bater no homem mas, Buda em profunda meditação mesmo com as agressões do homem, interrompeu o discípulo quando este ia bater no pobre homem. Ele disse '' as pessoas só podem oferecer o que elas tem em seu interior. Este homem está agindo assim porque é o melhor que ele tem a oferecer para o mundo. Isto é como um presente, ele chegou aqui e veio me oferecer este presente e eu escolhi não aceitá-lo e preferi deixar com o seu próprio dono''. A raiva, o rancor e ódio vivem nele não em mim..prefiro permanecer em meu silêncio.
Por mais que a energia coletiva esteja caótica, temos como permanecermos centrados no nosso melhor sempre.. independente das circunstâncias. Paz Amor LUZ ;)

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Ninguém pode salvá-lo, a não ser você mesmo..




Eu não posso lhe dar a verdade, mas posso lhe mostrar a lua... Por favor, não se apegue ao meu dedo que está lhe mostrando a lua. Este dedo desaparecerá. A lua permanecerá e a busca continuará. Enquanto houver um simples ser humano sobre a terra, as flores do sannyas continuarão desabrochando.

Primeiro, eu sou o único homem em toda a história que lhe deu individualidade. Os chamados gurus estiveram fazendo exatamente o oposto: eles estiveram tirando a sua individualidade. Todo o esforço deles era para que você se entregasse a eles. A sua função era apenas tocar-lhes os pés e receber as suas bênçãos.

Meu esforço é totalmente diferente. Você não consegue receber qualquer bênção só por tocar os pés de alguém. Ao contrário, você está tornando aquele homem mais doente e egoísta.

O ego é o câncer da sua alma. Não torne ninguém doente. Tenha compaixão. Nunca toque os pés de ninguém...

Meu esforço é para tirar todas as tradições, ortodoxias, superstições e crenças de sua mente de modo que você possa alcançar um estado de não-mente, o estado supremo de silêncio, onde nem mesmo um pensamento se move. Nem mesmo uma ondulação no lago de sua consciência.

E a coisa toda tem que ser feita por você. Eu não estou dizendo, ‘Simplesmente siga-me, eu sou o salvador. Eu salvarei você.’ Tudo isso é repulsivo. Ninguém pode salvá-lo, a não ser você mesmo.

E a independência espiritual é a única independência que merece ser chamada de independência.

FONTE: OSHO

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

TERRA - PLANETA PRISÃO


Prisão: (do latim vulgar prensione, derivado do latim clássico prehensione - ato de prender - pela também vulgar expressão latina presione) designa o ato de prender ou capturar alguém. Por extensão, o conceito também abarca o local onde se mantém o indivíduo preso (quando, então, é sinônimo de claustro, clausura, cadeia, cárcere, xadrez, etc.) e a pena em que há privação completa da liberdade.
A prisão, enquanto lugar de cumprimento de pena restritiva de liberdade, constitui-se de edificação construída com meios os mais diversos para evitar sua fuga ou evasão tais como: paredes grossas e reforçadas, isolamento do meio urbano, grades, cercas, vigilância constante, rigidez de disciplina interna, divisão em celas, etc.



Já comentei aqui no blog que nosso planeta, em última instância, é uma prisão para nós humanos. Algumas correntes espiritualistas definem nosso planeta como de expiações e provas. Contudo, expiar pode ser definido como o ato de se cumprir uma pena visto que a expiação é o sofrimento imposto ou auto imposto em decorrência de ato criminoso ou que provoque arrependimento em quem o cometeu. De maneira análoga, prova, no contexto da categorização da Terra, vem da necessidade de mostrar progresso, de provar o avanço alegado afim de alcançar condição melhor.


Como tudo começou



No universo físico, já vimos aqui como tudo começou, quando os Anunnaki vieram a terra e decidiram criar um trabalhador para minerar o ouro indispensável a Nibiru, seu planeta natal. Mas no nível espiritual, como a coisa toda aconteceu? Como foi para os espíritos que estavam se preparando para a jornada física nesse planeta encarar a difícil missão de constituir uma nova raça que, em sua origem, já surge como escrava? Pode parecer que uma injustiça foi cometida com esses espíritos, mas lembre-se que somos imortais e que os que para cá vieram, já eram bem experimentados e “antigos”. Então, a verdadeira questão a ser respondida é: Por que foi-lhes reservado um destino tão triste?
Voltando ao conceito de prisão, ninguém deve ser encarcerado sendo inocente. Então, que crime cometeram os espíritos para que fossem jogados nessa prisão? Bom, essa é a “pergunta de um milhão de dólares”! A resposta não está acessível a cada um individualmente, devido às próprias “paredes” da prisão que determinam o esquecimento do passado como uma das premissas para o cumprimento da “pena”. Mas existem “indícios”, no nível macro, que podemos utilizar como fonte para algumas reflexões e conclusões a respeito.



Primeiramente, basta olharmos para nossa civilização e perceberemos que nossa humanidade não está presa à toa. O esquecimento não é motivo para desculpar a conduta vil como a humanidade tem tratado a si mesma e ao planeta em que vive. Seja sincero, como você acha que seria nossa conduta caso fosse-nos concedida a liberdade e pudéssemos sair por aí explorando outros planetas? Um ser que é capaz de matar seu semelhante teria algum escrúpulo em matar seres de outras raças? Uma humanidade capaz de destruir o próprio planeta hesitaria em destruir o de outrem? É lógico que não!!! Então, com esse forte argumento em mãos, fica fácil concluir que fomos degredados para cá por não conseguirmos “conviver em sociedade” com outros seres. Cada um de nós que aqui está, com algumas exceções, é claro, foi exilado de algum outro orbe e ficará aqui em quarentena até que consiga se libertar da “selvageria” que predomina em sua conduta, pura e simplesmente.


Os mecanismos de segurança



Confinamento


Como em toda prisão, existem as barreiras, os muros, os dispositivos de segurança. Na nossa prisão planetária também existem os “muros” garantindo que não fujamos. No nível físico, estamos confinados ao planeta, o que já é uma barreira eficaz para evitar a fuga. Não nos é permitido, como espécie, possuir a tecnologia para deixar a Terra e explorar ou colonizar outros planetas. Existem indícios de que o exército americano possui bases em Marte, mas mesmo assim, é algo extremamente restrito e, não tenha dúvida, sobre forte vigilância. Esse confinamento me leva a refletir sobre um assunto muito discutido na internet: Os senhores do mundo. Porque isso? Bem, se a nossa raça sofre esse tipo de controle, quem garante que outras raças com tendências semelhantes não o sofram também? Isso coloca em cheque a questão de que o governo oculto do planeta esteja nas mãos de seres não-humanos, extraterrestre. Mas isso é assunto para um outro post.


No nível espiritual também estamos confinados à Terra. Existe uma barreira energética muito difícil de ser quebrada que nos mantém vibratoriamente ligados ao planeta, perpetuando o confinamento ao nível astral do orbe.


Privação da “vida eterna”


Outro mecanismo de segurança é a privação de gozarmos plenamente de nossa imortalidade. Quando os Anunnaki projetaram adamu, o escravo sob medida, um dos requisitos fundamentais impostos a nós foi a brevidade da vida em contrapartida a longevidade anunnaki. Essa brevidade tem um nível bem mais profundo que somente vida física curta, visto que ao voltarmos ao astral, a maioria de nós continua sem lembrar das existências anteriores e quando reencarnar, esquecerá também a existência atual, inclusive o período no astral. Então, nossa imortalidade é cerceada tanto no físico quanto no astral, contribuindo para que continuemos no confinamento.


Bloqueio de nossos “atributos divinos”


Assim como a imortalidade, os atributos da divindade que fazem parte de nós, como centelhas divinas que somos, também nos foram tirados para que não escapemos dos muros da prisão. No nível físico, muito mais severo é o bloqueio, nos privando de habilidades como telepatia, telecinese, levitação, materialização, etc, etc. Sem essas habilidades, somos mais fáceis de controlar, evitando assim uma “rebelião” no “presidio”.

Progressão da pena

Como todo condenado tem a chance de passar para uma pena mais branda, chegou o momento de nossa “avaliação”. Segundo consta a Terra deixará de ser uma prisão muito em breve e cada ser que está aqui poderá passar para o “regime semi-aberto”. Aqueles que continuam impossibilitados do “convívio em sociedade” irão, mais uma vez, sofrer o degredo para uma prisão novinha em outro recanto do vasto universo. Essa é uma boa notícia para os que ficarem aqui. Iremos recuperar alguns atributos perdidos e sairemos do regime de quarentena imposto sobre nós. Isso significa que poderemos visitar e ser visitados por outras civilizações, ter uma vida física mais longa e menos penosa, provavelmente teremos acesso a plenitude de nossas lembranças e nos reconectaremos ao criador através de nosso Eu superior. Acredito que alguns poderão voltar para o planeta de origem (aquele do qual foi exilado e mandado para cá) e continuar a jornada em seu planeta natal.


São momentos muito interessantes o que vivemos agora. Depois de milênios de “cadeia” enfim a liberdade nos espera. Torço para que o maior número possível de humanos gozem desse privilégio. Aos que serão expulsos... só lamento, receberão o que merecem.
Um abraço, rumo a liberdade.




sábado, 27 de novembro de 2010

REENCARNAÇÃO - CICLO ANUNNAKI



Conforme já estudado, sabemos que a palavra Anunnaki significa “aqueles que do céu vieram”.Sabemos que nas milhares de Tábuas de argila encontradas e decifradas suas escrituras por Zacharia Sitchin nos conta que esses Anunnakis estiveram aqui a cerca de 450 mil anos e consta principalmente que manipularam nosso DNA. Veja essa história toda AQUI:



Bom, e o que isso tem a ver com o nosso ciclo reencarnatório na Terra ??? Muitas pessoas são espiritualizadas de alguma forma e estão inclinadas a aceitar que há um processo Reencarnatório que nos “traz” de volta à esse plano físico, mas não conseguem entender de forma mais profunda esse processo justamente pela fragmentação de toda a informação que “Re-montaria” muitas verdades de nosso passado. Bom, se muito dessa historia se fragmentou, podemos desfragmentá-la e juntar partes para entender o todo.Levando em conta que de fato nosso DNA foi manipulado pelos Anunnakis, e ao que diz nas Tábuas de argila a razão dessa manipulação foi apenas para nos tornar seres capazes intelectualmente para realizar o trabalho que eles (os Anunnakis) queriam que realizássemos.


Porém, sabemos que usamos apenas 22 dos 64 Códons de nosso DNA, ou seja, 32 estão “BLOQUEADOS”, e quem os bloqueou ??? Bom, essa resposta fica mais fácil de responder com outra pergunta: Quem nos manipulou geneticamente a 450 mil anos ??? Sim, os Anunnakis, e a razão, ou melhor, a principal razão de bloquearem parte de nosso DNA é justamente para que você não lembre nada de suas reencarnações passadas. Assim ELES podem RE-programar você novamente na “Matrix”.Sabemos que esses seres (Anunnakis) estão num nível vibratório de existência em 4D e a chamada morte de nosso corpo físico que está na 3D, nos faz retornar novamente à essa mesma 4D, onde ELES também controlam em seus níveis vibratórios mais baixos (onde nos “atrapam” espiritualmente).Você achava que ao morrer, depois de ter sido uma “boa” pessoa, trabalhadora e fiel a deus, ou melhor, aos deuses, você iria para o “céu” ficar ao lado dele, ou deles, e junto aos anjos e querubins ??? Sim, é verdade, você acertou! Os mesmos anjos retratados pelo catolicismo são os Sentinelas Anunnakis retratados no livro de Enoch, e os deuses são seus “Reis”.

O próprio Vaticano confirmou que os anjos da bíblia são provavelmente ET’s.

Assim na Terra como no céu ... Assim como cá é lá ... Essas e outras frases conhecidas pelo mundo principalmente no mundo religioso, nos diz que nosso mundo 3D é uma cópia do mundo dos céus, onde REINAM os “deuses”.Ao morrer, ou desencarnar, você mantém sua consciência PRESA e APEGADA às idéias mundanas da Matrix 3D, onde aprendeu com TODA a Polarização possível que esse mundo lhe programou e assim, muitos perambulam por aqui achando que ainda estão na 3D, não aceitaram a morte ou desencarne.



Como cá é como lá, obviamente há também uma hierarquia imposta e regida pelos Reis Anunnakis onde estabelecem aos recém retornados à 4D uma nova “chance” de vida retornando à 3D para cumprir mais um Ciclo Reencarnatório. O que este recém chegado não sabe é que não se lembrará de nada e assim, poderá ser RE-programado (de NOVO) pela Matrix. Isso é tudo o que ELES querem de você. Que continue sendo um RECURSO comportando-se como gado e sendo fiel ao “regimento” Celeste do “Rei dos céus” (O Pai todo poderoso). Ao regressar à 3D você não se lembrará de sua passagem anterior à 4D, e menos ainda da 3D anterior. Perceba que sua memória Almica foi manipulada desde um corpo 3D com DNA alterado para que você não possa se lembrar e assim, jamais poderá Evoluir Espiritualmente. ESSA É A GRANDE MANIPULAÇÃO !!! ELES manipulam e administram o Ciclo Reencarnatório na Terra.




Não estou dizendo que TODOS os que encarnam na 3D são “conduzidos” por ELES, mas a grande maioria sim. Os poucos que encarnam sem serem provenientes desse ciclo manipulado são seres com alguma capacidade superior (isentos de manipulação Anunnaki) e que “escapam” desse controle reencarnatório ao qual estamos "atrapados", e chegam aqui para poderem ajudar a divulgar um DESPERTAR espiritual e nos auxiliar a entendermos o que somos, quem somos e nossa situação atual.
Quando despertamos e entendemos essas verdades, compreendemos melhor nossa situação e nos tornamos realmente livres para escolhermos o que queremos. Assim. exerceremos por direito o chamado Livre-arbítrio. Essa era pra ser a natureza de nossa existência, o que na verdade, sempre foi. Esse é o “empreendimento” DELES – Um controle espiritual na 4D e simultaneamente um controle mental na 3D.Assim, ELES se certificam que seus propósitos se perpetuem.Por isso, CUIDADO !!!
TODAS as religiões foram manipuladas para atenderem à seus “mestres”, ao seu “Pai” e criador ... pense nisso, não é a toa que iremos pra 5D, certo ?!!
Complementando:
Mantenha-se VIVO
Entenda a NEXUS
Grande abraço!

FONTE: http://rmorais76.blogspot.com/


quarta-feira, 24 de novembro de 2010

O FRÁGIL E INSUFICIENTE MODO LINEAR DE PENSAR: A NECESSIDADE DO PENSAMENTO COMPLEXO

As pessoas adquiriram hábitos de pensamento, um sistema de referência e valores dos quais se tornaram prisioneiras. – (Simone de Beauvoir)


Os grandes colapsos e as catástrofes mundiais que começam acirrar, sobretudo, a partir do século XX, para citar algumas: as duas grandes guerras mundiais, as crises econômicas, as disputas territoriais, os governos totalitaristas, a bomba atômica, a degradação intensa da vida animal e do meio ambiente, entre inúmeras outras barbáries, têm colocado um ponto de interrogação sobre qual o rumo do planeta e de nossas vidas.
Muitas vezes esse questionamento se faz através de um cínico "não estarei aqui mesmo quando tudo isso explodir" ou um intenso sentimento de vazio e perda de identidade: em última instância, tem levado ao niilismo em seu último grau, tal como preconizado por Nietzsche no século XIX.

As barbáries não são novidades, sempre existiram, basta passar os olhos pela história. O que chama atenção é que os grandes progressos que chegaram até o momento atual não tem dado conta de possibilitar uma vida melhor para uma ampla maioria de pessoas, e o pior, tem trazido danos irreparáveis à vida e ao planeta. E dificilmente poderíamos dizer que os colapsos do nosso tempo são mais amenos que o sangue já derramado durante as civilizações na Idade Antiga e Idade Média.

A escola de Frankfurt, sobretudo através de Adorno, Habermas e Horkheimer, com aguçados olhares críticos, nos mostra muito bem que a razão do homem não tem servido para melhorar a vida, pelo contrário, tem levado à degradação da vida em suas múltiplas faces; levando a civilização do progresso e da técnica, com sua razão instrumental, voltada principalmente para o lucro, à barbárie.

Certamente que muitos não têm consciência das considerações teóricas que estão por trás dos seus modos de compreensão da "realidade" – o método pelo qual pensam -, mas o pensamento está muito bem cristalizado por um método de pensar que vingou desde Sócrates: o pensamento linear-causal; que na modernidade se encorpa através do método lógico-formal e vai perpassar todas as áreas da ciência, produzindo, "logicamente", conhecimentos unilaterais e reducionistas.
Esse modo de pensar ou admite "isso" ou "aquilo"; ou é capitalismo ou é socialismo; ou é verdade ou é mentira; ou é certo ou é errado;

ou é bonito ou é feito; ou é razão ou é emoção; ou é corpo ou é mente… é a lógica do "ou/ou" que não compreende que corpo e mente são indivisíveis, que o certo pode ser errado e vice-versa. Os exemplos são inúmeros e estão nos itinerários ordinários do dia-a-dia além de se apresentar também no palco científico que só recentemente vai começar a questionar-se.
O conhecimento científico possibilitou o avanço da técnica, e muitos ainda acham que o progresso é uma linha contínua que está sempre em evolução.

Porém, todo esse "progresso" se mostra incapaz de resolver problemas como a violência, a exclusão e a miséria. Tal progresso possibilitou a produção de alimentos que seria capaz de alimentar todos os seres humanos, mas tampouco isso é uma realidade, pois muitos morrem de fome e desnutrição a cada hora.
Para a nossa cultura atual, é favorável aquele conhecimento que produz resultados materiais, em outras palavras, quanto mais lucrativo for o conhecimento ele é etiquetado como sendo o melhor, e em nome do capital o pensar não produz questionamentos pois ele já vem embalado e entrega o pensado. Trata-se de uma visão ingênua e unilateral da vida, pautada na divisão entre subjetividade e objetividade; conhecimentos humanos – que cada vez mais as pessoas desprezam – e conhecimentos exatos ou técnicos, colocados cada vez mais nas vitrines da educação mercadológica.


Um modo de pensar mais abrangente, que dê conta mais consistentemente das múltiplas forças e fenômenos que estão presentes num dado momento em um dado fenômeno, urge como uma necessidade fundamental para tentarmos fazer com que o progresso, a técnica, e o desenvolvimento racional, sejam favoráveis à Vida em sua totalidade; contudo, sem incorrer em totalitarismos, deslumbres ingênuos, messianismos, fanatismos, tribalismos, fundamentalismos ou utopismos.
A questão não é quem está certo e quem está errado, não é um jogo de nós contra eles. O certo e o errado só as conseqüências nos dirá, a história nos dirá. E parece que ela tem nos dito até agora que estamos errados.

No entanto, a questão não é etiquetar as nossas ações como ou isso ou aquilo, é necessário saber que todos nós podemos estar certos e errados ao mesmo tempo. É necessário abrir mão do pesado fardo de valor que os homens têm usado, muitas vezes em nome dos seus fundamentalismos, para fixar essências imutáveis nas coisas.
Quem ainda duvidar de que precisamos urgentemente de começar a pensar sobre o nosso próprio pensamento, sobre a forma como olhamos e entendemos o mundo, duvidar da nossa própria capacidade de conhecimento, basta olhar a história recente e ver um filme do horror que jorra sangue e faz vidas voarem pelos ares; crueldades e barbáries cometidas em nome disso ou daquilo: em nome do patriotismo; em nome da ciência; em nome de Deus; em nome da honra; em nome do Bem; em nome do comunismo; em nome do capitalismo, etc.


O pensamento complexo não se vê como dono da verdade, ele não etiqueta o mundo em verdades e mentiras, pois todo conhecimento é parcial e a realidade em sua totalidade é inatingível; e se compreendo dado fenômeno é uma compreensão que se sabe mutável no tempo e no espaço, pois nenhum fenômeno permanece imutável: se olho para a economia hoje compreendo muitos aspectos, mas se olho tempos depois o conhecimento anterior poderá valer somente em alguns pontos, ou poderá ser totalmente descartável; diz-se que a economia está e não é "assim". O complexo como norte do pensamento compreende que nós somos a nossa única salvação, e para tal, é necessário (re)pensar a nossa forma de pensar e de lançar olhares sobre o mundo.


Pensamento linear

Pensamento linear ou linear-cartesiano é sem dúvidas o mais predominante modo do homem pensar, tem suas raízes em Aristóteles e é "sacralizado" com Descartes na modernidade. Sustentado pela lógica binária, esse tipo de pensamento identifica os opostos de um dado fenômeno e a partir deles desenvolve correlações que irão sustentar a formulação de um dado conhecimento.

Olhando para um dado fenômeno a partir dessa lógica, o objeto de estudo é dividido em várias partes, em seguida é feito uma análise de cada parte em separado. Formula-se várias categorias, grupos e subgrupos para classificação e especializações de cada parte. Fica evidente o quanto é fragmentador e reducionista esse tipo de lógica de pensamento.


Nesse sentido, o objeto de estudo "desaparece" em partes que obstruem a visão do "todo". Separando o objeto cada vez mais em partes menores para análise, perdem-se as relações do fenômeno com os vários contextos. Reduz-se o fenômeno a meros conceitos "cristalizantes" como se eles por si só se esclarecessem. Essas construções teóricas, embora possam mudar ao longo do tempo, enquanto não se "descobrem" outras relações, são tidas como universais e válidas em qualquer tempo e espaço.

A medicina, por exemplo, dissecou o corpo humano em sistemas, órgãos, células, genes… e criou um campo de conhecimento altamente classificatório; o olhar do médico tradicional é abordar os sintomas relatados pelo paciente e a partir daí buscar relação com o corpo teórico conceitual já bem aceito pela comunidade médica. Em geral, reduz o indivíduo a um conceito: ele tem câncer! Assim, com uma visão mutilada, o tratamento busca atingir somente as "partes" que estão prejudicadas, desconhecendo a relação da doença com o corpo como um todo: espírito e corpo – divisão, aqui, utilizada apenas para efeito didático. Certamente que isso tem seus benefícios, porém, ressalta-se aqui, o desaparecimento do homem como um ser concreto imerso em um plano simbólico que exerce impacto em todas as suas manifestações.

Evidente que isso não se verifica apenas na medicina, mas sustenta todo campo científico e boa parte da filosofia. Felizmente, dentro de cada campo, começam a se questionar esses pontos de vista já arraigados, de tal forma que o pensamento complexo encontra ai suas brechas para tentar jogar mais luz nos reducionismos científicos – contudo, este não tem a pretensão de ser verdade absoluta, o que seria um contrasenso devido as seus princípios, entre eles o da incerteza que será melhor abordado em momento oportuno.

Pensamento sistêmico


Esse tipo de pensamento é mais recente, surgiu no século XX em contraposição ao reducionismo do pensamento linear, mais precisamente a partir de 1920, na área da biologia com Goldstein e a noção do organismo compreendido como um sistema. Entre os seus vários expoentes, destaque para Fritjof Capra, físico austríaco, contemporâneo, que sistematizou os princípios do pensamento sistêmico em suas obras, entre elas, a principal, denominada "A teia da vida – uma nova compreensão científica dos sistemas vivos" (1996).

O pensamento sistêmico interliga as partes, diminui a distância entre elas e permite pensar o conjunto (sistema) sem perder de vista todos os seus componentes. Admite-se nesse modelo, que na articulação entre as partes, podem surgir novas propriedades (idéias novas), o que seria impossível de visualizar a partir do pensamento linear.
Nesse modelo, busca-se analisar as partes separadamente mas sem perder de vista a sua relação com o todo, além, de conceber que o todo compreende relações que não estão nas partes, e vice-versa. Simplificando: a análise das partes em separado revela um conhecimento; a análise das partes em relação com o todo revela um conhecimento com propriedades novas, e por fim, a compreensão do todo também revela um conhecimento com propriedades novas.

Sistemicamente, o pensamento visa o ordenamento das relações a partir do modelo mecanizante bem característico do pensamento linear. Admitem-se no pensamento sistêmico, novas propriedades que surgem com a totalidade, dentro de uma compreensão que busca dar uma ordenação sistemática entre as variáveis que são aprendidas em um dado fenômeno.
Enquanto o pensamento linear é estrutural, o pensamento sistêmico é não-linear e se baseia no estudo dos padrões, conjuntos e totalidades. Embora inovador em relação à lógica binária, o pensamento sistêmico também incorreu nos seus reducionismos, entre eles, a idéia ilusória de que podemos controlar uma infinidade de variáveis, que os controles e modelagens que exercemos em determinados contextos podem ser automaticamente estendidos para sistemas maiores e mais complexos.

O pensamento sistêmico, com seu grande potencial, infelizmente, transformou-se em mais um modelo reducionista. Criou a ilusão de que o pensar nesses moldes daria conta de captar a totalidade sem perder de vista a ligação entre as partes, e que a partir daí poderia se ter o "poder sobrenatural" de ter um controle absoluto das coisas. Não precisa discorrer muito para dizer o quanto a idéia do homem de exercer controle sobre as coisas, ter previsibilidade e ordenação, de maneira "prepotente", desconsiderando o incognoscível e a casualidade, tem contribuído para grandes catástrofes na História: o "comunismo" soviético (que não é aquele proposto por Marx) é um exemplo que pode ser visto com um início e fim; o capitalismo também, porém ainda está a nos apresentar seus colapsos: a crise financeira recente que estamos vivendo, que teve seu auge no rombo dos valores imobiliários americanos, é só mais um exemplo do fracasso da crença do homem na previsibilidade das coisas.
O pensamento complexo não nega, como dito no início, os modelos de pensamentos linear e sistêmico. Ele dá um passo além: inclui a aleatoriedade, a incerteza, a imprevisibilidade e impossibilidade de separação entre sujeito e objeto. Homem, máquina e ambiente estão intrinsecamente interligados.

Admite-se a importância desses dois modelos de pensamento. O homem precisa reduzir o objeto a várias variáveis, concebê-las analiticamente e criticamente, também precisa uni-las e buscar a compreensão da totalidade e das relações entre as partes com o todo e do todo com as partes. É altamente importante que consigamos trabalhar com previsibilidade, ordenação e classificação do mundo, é uma questão até mesmo de sobrevivência. Mas não somente: é necessário abandonar a ilusão de que podemos ter controle e previsibilidade absolutos sobre o mundo;
É necessário desautorizar o nosso conhecimento como imponente e tomar consciência que a razão não é uma "lei divina" que irá nos dar todas as soluções – contudo, isso não significa ser irresponsável e se jogar ao acaso, mas clarificar, jogar luz com toda amplitude possível, sabendo que não somos o centro do universo, que podemos falhar e que a razão também desconhece, o que deveria aumentar ainda mais a nossa busca por uma conhecimento complexo e não simplificador.

Com a ilusão do controle o homem tem negado a si mesmo, na medida em que se afasta, coloca-se fora do mundo, como se fosse algo indiferente aos fenômenos. Assim, ele busca pintar o mundo com as cores da causalidade, da linearidade, da ordem e de um "explicacionismo" em termos quantificáveis e classificáveis cada vez mais redutivos e simplificados. Ele crê, dessa maneira, não participar, não interagir com os fenômenos, nessa fuga ele não se vê como responsável pelos colapsos e catástrofes que ocorrem.

Fonte: http://www.eternoretorno.com

sábado, 13 de novembro de 2010

TODOS SENTEM QUE ALGO ESTÁ PARA OCORRER



Aguardar a ocorrência de um evento significativo é muito estressante, e por todo o seu ambiente ilusório os sinais de estresse são visíveis.Claro, esse evento significativo é o despertar da humanidade na total consciência de sua Unidade com Deus e, portanto, de uns com os outros.Quando isto ocorrer, o estresse que está por toda parte irá se dissolver junto com o medo, a ansiedade e o julgamento, para ser substituído pela paz eterna e a alegria extática.Todos os humanos sabem dentro de si que isto está para acontecer, apesar de que a grande maioria não tem conhecimento consciente disto.


Este conhecimento interior e profundo - já que está muito abaixo do seu conhecimento consciente - leva à impaciência severa e ao estresse, que então são atribuídos às várias situações pesarosas que ocorrem por todo o planeta, tal como guerras, clima extremo, movimento da Terra, crise econômica e até discórdia em relacionamentos pessoais.Todos sentem que algo de enorme importância está para ocorrer e estão procurando por sinais disto nessas situações pesarosas.Entretanto, essas situações são provocadas por seus medos coletivos e ansiedades e não pela proximidade do momento do seu despertar.Entendam, portanto, que o modo de liberar ou aliviar seu estresse e ansiedade é focalizar sua atenção e sua intenção no despertar.Mantenham-se lembrando de seu divino Destino - a existência eterna no êxtase da Presença amorosa de seu Pai.


Isto os confortará e os fortalecerá para continuarem mantendo a visão do infinito Amor de Deus por vocês.Todos vocês operarão como campos energéticos de amor, paz e tranquilidade, o que vocês verdadeiramente são, conectados uns aos outros, e neutralizando e submergindo os campos de medo e ressentimento que tantos estão expressando.A energia que vocês, Trabalhadores da Luz, estão captando e compartilhando por mais e mais tempo é consideravelmente poderosa e é amplificada exponencialmente por seu Pai divino, que se regozija com a sua vontade de compartilhar indiscriminadamente o Amor d'Ele com suas irmãs e irmãos.A aura brilhante que envolve o Planeta Terra conforme vocês avançam no despertar é de uma radiação maravilhosa e de uma beleza tão grande, e ela continua a se intensificar a cada momento, quando cada um de vocês continua a se focalizar em qual será o resultado divino de sua energia fundida com a de Deus.


Nenhum de vocês que está experimentando a ilusão e o sofrimento está aqui por acaso neste ponto da evolução.Todos vocês escolheram ser voluntários para estar aqui e ajudar no processo de despertar, sabendo que seria uma tarefa extremamente árdua que vocês estavam assumindo, e vocês são muito honrados por isso.Por ser a Vontade divina e por Deus estar amplificando enormemente sua energia radiante e linda é que o seu despertar irá ocorrer precisamente como foi planejado e prometido.Quando vocês despertarem, virem e entenderem o que vocês conquistaram por sua intenção focalizada na ajuda para realizar o plano divino, vocês serão dominados pela surpresa e alegria, sabendo que sem a sua cooperação amorosa isto não teria ocorrido e sabendo também que sempre foi a Vontade de Deus e a sua que esta conclusão formidável fosse alcançada, e que qualquer outro resultado não poderia ser remotamente possível.


Vocês sabem e sempre souberam que a alegria eterna seria sua quando sua tarefa fosse concluída, e, conforme esta hora se aproxima rapidamente, continuem a focalizar sua intenção amorosa no resultado.Façam com que isto aconteça, já que vocês sabem que acontecerá.


recebida por John Smallmanem 03 de novembro de 2010







CALENDÁRIO MAIA - PRÓXIMA ACELERAÇÃO DO TEMPO E DA CONSCIÊNCIA - NÍVEL UNIVERSAL!

Faz tempo que ando pensando em fazer esse post, só que ando sem "tempo"...hehehe. Talvez seja exatamente porque estamos vivenciando outra aceleração do tempo, consoante preconizado pelos antigos maias. No livro O Código Maia, de Barbara Hand Clow, ela esclarece bastante sobre esta aceleração e seus significados, com ênfase nos cálculos e estudos sobre o Calendario Maia realizados por Carl Johan Calleman, que é relativamente dissidente de Arguelles. Para Calleman, o fim do tempo termina em 28.10.2011. Para Arguelles, em 21.12.2012, quando termina a Longa Contagem do ciclo de 5.125 anos.


Em resumo (muito resumidinho mesmo, porque a coisa toda é muuuito complexa...hehehe), Calleman explica que o calendário maia expõe a evolução da consciência, a evolução de tudo o que existe, em padrões de tempo cíclicos: "...os nove submundos são estruturas cristalinas ativadas em sequência no núcleo central da Terra. Cada um dos nove submundos está associado a fases evolutivas ou classes de consciência que são frequências de criação aceleradas por fatores de 20, e que todas as nove frequências atingem o ponto máximo simultaneamente. Ou seja, todas as nove frequências de criação estão acontecendo ao mesmo tempo, como a Nova Sinfonia de Beethoven, equivalente a 20 vezes 20 e assim por diante. ... quando subimos a pirâmide, o tempo acelera, mas desacelera ao descermos. Portanto, a evolução está acelerando exponencialmente. Agora estamos no meio do Oitavo Submundo (o Galáctico), que começou em 1999 e dura apenas 12,8 anos!" (pg.70/71 da obra citada).


Onde quero chegar e da forma que entendi é que estamos nos momentos finais desse ciclo, que termina em 28.10.11, segundo Calleman, ou 21.12.2012, segundo Arguelles. Os Maias registraram todo o ciclo de tempo e de evolução, no qual partimos de uma unidade (início celular da vida), nos direcionamos para a dualidade e, no final do ciclo, assim como o Oroboros, retornamos à unidade. É uma evolução da consciência. E, conforme os estudos de Calleman, mencionados no livro o Código Maia, da Barbara Hand Clow, o tempo é dividido em 9 ciclos, que ele chamou Submundos, sendo que estamos terminando o ciclo Galáctico (no qual a consciência galáctica é aflorada) e ingressaremos, agora em novembro de 2010 no primeiro dia do Submundo Universal, que acredito ser dia 11.11.2010 (afinal, é a data do Portal 11:11 - no 7º dia - 13º Céu do Submundo Galáctico), ciclo este que terminará em 09.10.2011, quando entra mais um pequeno ciclo de aceleração da consciência até o dia final e 28.10.2011. Neste ciclo do Submundo Universal devemos evoluir para a unificação de nossas consciências.
Ou seja, estamos caminhando para a consciência da unidade, de que somos todos um. Por isso essa coisa toda de globalização, de uma só humanidade etc, é parte de nossa evolução consciencial. Calleman, no citado livro, refere-se à data dessa aceleração de consciência em 03.11.10 até 08.10.11 e depois 09.10.11 até 28.10.11, quando ingressaremos na consciência Universal.


Cada aceleração do tempo é multiplicada por 20 e se sobrepõe à aceleração anterior. Logo, o tempo esteve acelerado 20 vezes mais de 1999 até agora, início de novembro/2010 e estamos vivenciando a segunda aceleração, novamente 20 vezes mais (que entendo ser sobre os 20 anterior). O que significa isso? Que são 20 x 20 = 400. Ou seja, cada dia, a partir de agora e até 08.10.11 corresponderá a 400 dias, esse período todo corresponderá a 400 anos. Sentiremos o tempo passando, a correria toda, muuuito mais acelerada e a condição, a possibilidade de ampliar a consciência estará igualmente super acelerada, o que entendo tratar-se de uma enorme oportunidade de rápida ampliação e tomada de consciência/iluminação nesse período. O processo começa a acelerar mais ainda. Por isso que, também, entendo que os espiritualistas falam tanto que agora é o período de queima do carma. Só pode ser mesmo, porque, pensem bem: estaremos vivendo o equivalente a 400 anos num periodozinho de um único ano, o que equivale a umas 4 ou 5 vidas, no mínimo. Temos que aprender a resolver nossos carmas com todo esse tempo, a nível de consciência, é uma grande oportunidade e, cá com os meus botões, entendo que a exigência será maior nesse período.


O que ando percebendo é que a oportunidade é grande, por isso mesmo a prova é mais difícil. É como querer entrar numa faculdade bem difícil - o exame é, igualmente, mais difícil. Na espiritualidade não é muito diferente disso. Quanto maior o grau, o nível da espiritualidade, mais difíceis são as coisas, as provas para se alcançar tal nível. Moleza, é só nas trevas...hehehe. Aliás, ando percebendo que as pessoas em geral estão fazendo muita confusão sobre o que significa o período de luz e alta espiritualidade que está para se iniciar, acreditando que tudo será muito mais fácil, moleza etc. Mas é exatamente o contrário!!!

No período de luz as provas são muito mais difíceis. O nível de consciência das pessoas que ingressam no período de luz é um pouco maior, então a exigência também é maior, ao contrário do período de trevas, em que o nível de consciência é menor e não se pode exigir muito delas porque não têm condições pra isso. Penso que é só comparar com algumas coisas básicos que temos na matéria, como as escolas. Não se cobra muito das crianças no primeiro grau, mas conforme elas vão avançando a níveis mais elevados, no colégio, na universidade, a cobrança vai sendo maior. Na pós-graduação então...hehe, nem pensar - a exigência é cada vez maior. É o mesmo que irá rolar no futuro período de luz.

As exigências serão maiores e não menores.
Outra coisa que meus guias andam buzinando direto no meu ouvido para escrever a respeito aqui no blog é sobre o equívoco de achar que no período de luz isso aqui será tipo um paraíso. Nada disso. A Matrix vai sofrer um upgrade, o nível geral do teatrinho a ser montado na Terra, para as almas viverem suas experiências, será mais tecnológico, mais avançado, com melhores condições de vida na matéria do que agora, relações baseadas na igualdade, liberdade e fraternidade, aquela coisa toda de Aquário, mas não será o paraíso na Terra, tampouco as almas aqui encarnadas estarão concorrendo a Budas iluminados.


É uma melhora geral e uma mudança radical de paradigmas, não terão mais famílias, não terão mais governos, vamos voltar a interagir com os extraterrestres, com outros planos, etc, mais ainda estaremos na Matrix, tentando viver experiências que nos levem em direção à iluminação e, ao contrário das impressões gerais, a cobrança nesse período será muito maior, a dificuldade será muito maior, não terá mais a moleza do período de trevas, no qual as almas aqui são tratadas praticamente como crianças, que pisam na bola e todo mundo fica "ah, é criança, tá aprendendo, deixa pra lá, não pega tão pesado" - Nada disso!!! Pisar no tomate nos próximos tempos será muito mais difícil e naõ vai mais ter essa de passar a mão na cabecinha e deixar pra lá. Por isso o pessoal anda prevendo a conformação de uma ditadura global. Vai ser mesmo, comparado com esta época, porque não vai mais haver possibilidade de escolher fazer coisas erradas, mas não vai mais ter como se esconder - tudo será "às claras", todo mundo vai saber tudo sobre todo mundo, ñao terá como se esconder.

Logo, pessoal, a coisa vai ser "fogo"...hehehe. Os tempos da moleza do período de trevas estão acabando...hehe, aproveitemos enquanto podemos essas facilidades, porque em breve não mais poderemos fazer o que quisermos, dar umas pisadinhas na bola e sair ilesos e impunes, muitas vezes sem ninguém saber...hehehe. Essas farrinhas vão acabar...
Abraços
Conexão Sirius

FONTE: http://conexaosirius.blogspot.com


OBS: Desculpinha que o pessoal da Nasa arranjou para justificar a aceleração do tempo CLIQUE AQUI

Fonte: http://evoluindo-sempre.blogspot.com/

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

MAÇONARIA, O PANO DE FUNDO DA KU KLUX KLAN


Albert S. Pike, advogado e general sulista durante a guerra de secessão, foi um dos dirigentes máximos da maçonaria do rito escocês no novo continente e chefe de justiça da Ku Klux Klan, o Clã do Círculo. A KKK foi fundada por outro maçom, Nathan Forrest, a princípio com o objetivo declarado de defender os brancos do sul das possíveis revanches da então escravizada população negra, assim como dos abusos que pudessem cometer as vitoriosas tropas do norte.

A importância de Pike entre as sociedades secretas do século XIX nos Estados Unidos é bem comprovada por alguns de seus títulos, como o de Soberano Pontífice da Maçonaria Universal ou Profeta da Franco-Maçonaria. Pike sempre foi fascinado pela possibilidade de ver em vida um governo mundial. Pike conseguiu o controle absoluto de todos os maçons do planeta, fundando o novo e reformado Rito do Paladino, criando três conselhos, um em Charleston, na Carolina do Sul, outro em Roma e o terceiro em Berlim. Emitiu um documento, em junho de 1889 (somente 119 anos atrás, atingindo através dos canais de comunicação da época gente como nossos avós e bisavós), em que Pike dirigia algumas instruções e uma advertência aos 23 conselhos supremos da Maçonaria Mundial: "a vós, instrutores soberanos do grau 33, os décimos: tens que repetir aos irmãos de graus inferiores que veneramos um só Deus, a quem oramos sem superstição. Só nós os iniciados do grau supremo, devemos conservar a verdadeira religião maçônica, preservando pura a doutrina de Lúcifer. Ele, sim, Lúcifer, é Deus.

A religião filosófica verdadeira e pura é a fé em Lúcifer, que é o Deus da Luz, é bom e luta a favor da humanidade."Um século antes, em 4 de julho de 1776, os delegados dos 13 estados, do território conhecido como Nova Inglaterra, proclamaram e assinaram sua declaração de independência e sua constituição como nação. 9 das 13 assinaturas pertenciam a franco-maçons. Outros 9 assinantes dos artigos da nova confederação também pertenciam às lojas maçônicas. A Carta Magna mais antiga em vigor na atualidade, teve seus avalistas e todos eram maçons. O maior monumento erigido em homenagem à maçonaria encontra-se na Virginia, junto ao Rio Potomac, o George Washington Masonic National Memorial.

Os principais símbolos dos Estados Unidos são a bandeira e o grande selo. Na bandeira, as cores utilizadas foram as mesmas usadas pela revolução francesa - vermelho, branco, azul - e os signos insistiam no número 13 - 13 barras e 13 estrelas. Quanto ao selo, foi aprovado oficialmente o desenho de Charles Thomson, mestre de uma loja maçônica na Filadélfia, dirigida pelo maçom Benjamin Franklin, que participou da empreitada. No anverso do selo aparece uma águia calva americana, com as asas abertas, levando sobre o peito um escudo com o campo superior azul e o inferior repartido em 13 barras brancas e vermelhas. Em uma das garras, porta um ramo de oliveira e na outra, 13 flechas. Sobre ela há um desenho circular em cujo interior 13 estrelas compõem a nova constelação, insinuada na bandeira, que de nova não tem nada, porque é possível reconhecer com clareza uma estrela de Davi. Finalmente, a ave carrega no bico uma faixa em que está inscrito o primeiro lema oficial dos Estados Unidos: "e pluribus unum" (de muitos um). No reverso do selo um triângulo com um olho em seu interior com a legenda "novos ordo seclorum" ou "a nova ordem mundial"*.

O verdadeiro sentido da legenda está relacionado com um conceito astrológico próprio da simbologia iluminista (na realidade dos Illuminati): a Nova Era de Aquário, que deve suceder a Era de Peixes ou Era Cristã, condenada a desaparecer no século XXI (alguns dados obtidos no livro "Illuminati", de Paul H. Koch).O grande selo dos Estados Unidos é uma representação simbólica da missão e da identidade do povo americano, retratadas pela grande águia, a pirâmide, os lemas e os símbolos numerológicos. A águia é um símbolo milenar da visão espiritual, sem a qual os indivíduos perecem. O ramo de oliveira, na garra direita, indica a lei do Príncipe da Paz, pela autoridade de Jeová, nome hebráico de Deus, provém do verbo ser. Literalmente, "aquilo que era, é e será".

Assim, Jeová significa aquilo que transcende ao tempo e espaço - eu sou o que eu sou, como o senhor revelou-se a Moisés**. O dom deste nome - a palavra perdida da maçonaria - foi a graça concedida às 12 tribos predestinadas a estabelecer a paz na América por meio da realização da consciência interior do Cristo, ou do Hiram Abiff (arquiteto que construiu o templo sagrado a pedido do Rei Salomão) maçônico como arquétipo do eu verdadeiro de cada indivíduo - o mediador entre a alma e o espírito universal. O número 13 é utilizado com tanta freqüência no grande selo que até mesmo aqueles que adoram coincidências vêem-se forçados a admitir que o criador do selo tinha algum propósito em mente. O espírito de 76 é composto de dígitos que somam 13. A águia segura 13 flechas na garra esquerda. O brasão, ou escudo de armas, é composto de 13 partes. Os lemas "annuit coeptis e pluribus unum" possuem 13 letras. A pirâmide apresenta as 13 fileiras da maçonaria.A América tem uma dívida de gratidão infinita com George Washington.

Chamaram-no de grande preservador, grande salvador, comparando-o a Moisés, Josué e Gideão. Como nenhum outro, Washington colocou sua vida, sua fortuna e sua honra sagrada a serviço da causa. Washington foi um mestre maçom - na verdade, ele foi o mestre dos mestres. E Deus favorece nossos empreendimentos - "annuit coeptis", assim afirma o lema no grande selo dos Estados Unidos - outrora chamado, depreciativamente, de emblema estúpido da fraternidade maçônica. Maçônica sim, mas estúpido, jamais. O lema "novus ordo seclorum" representa a grande obra assumida pelos maçons - o estabelecimento da nova ordem das eras*. Acima de tudo, os israelitas americanos devem fazer o que fizeram seus antepassados - pedir o auxílio do Senhor. Afinal de contas, o Deus da história, o Deus de Israel, conduziria seu povo ao longo de tantos milênios para depois abandoná-lo no último instante? Não, se ele permanecer leal a si mesmo e a nós. É o EU SOU O QUE EU SOU do êxodo, é o fiel e verdadeiro, inalterável. A palavra da revelação.

É uma ironia que o nome Saint Germain não esteja na boca de cada colegial e que cada presidente americano não busque sinceramente seus conselhos. Pois foi Saint Germain quem encarnou como o colonizador portador do Cristo, Cristóvão Colombo, e como o fundador da Franco-Maçonaria, Francis Bacon (alguns dados obtidos no livro "A alquimia de Saint Germain", Mark L. Prophet e Elizabeth Clare Prophet).


* Um governo mundial, uma direção única, uma religião, um exército** Moisés estava sob efeito de poderosos alucinógenos quando desceu o Monte Sinai e apresentou ao povo judeu os dez mandamentos, afirma Benny Shanon, professor da Universidade Hebráica de Jerusalém. Segundo o professor, o consumo de psicotrópicos fazia parte dos rituais religiosos dos judeus mencionados pelo livro Êxodo, na Bíblia.

FONTE: FERNANDO TIBIRIÇA

sábado, 30 de outubro de 2010

VOCÊ É UM PROGRAMADO OU UM DESPROGRAMADO?

Sabemos que os negativos que se encontram nos bastidores da verdadeira história da humanidade, arquitetou um programa de destruição de tudo o que é natural, fazendo com que as pessoas cada vez mais se tornem artificiais em tudo. A pessoa que é programada mesmo que inconscientemente, segue um padrão imposto pela matrix sem questionar. Esta pessoa segue ''a norma'' e sofre consequentemente da doença do século, a NORMOSE.

Podemos definir normose como um conjunto de normas, conceitos, valores, estereótipos, hábitos de pensar ou de agir aprovados por um consenso ou pela maioria de uma determinada população e que levam à sofrimentos, doenças ou mortes, em outras palavras,que são patogênicas ou letais, e são executados sem que os seus atores tenham consciência desta natureza patológica, isto é, são de natureza inconsciente.

No livro NORMOSE DO AUTOR PIERRE WEIL, Podemos distinguir duas grandes categorias de normoses: as normoses gerais e as normoses específicas.
· As normoses gerais são as que possuem um consenso comum a praticamente toda a
humanidade. E o caso por exemplo da aceitação do cigarro ou da fantasia da separatividade· As normoses específicas tem o seu consenso restrito a determinada nação, população, grupo social ou cultural. Podemos dar como exemplo a prática do duelo entre os homens de classe nobre da Europa até o início deste século ou ainda o uso de assentos que deformam aos poucos a coluna vertebral dos passageiros da classe de motoristas.

Inúmeras outras categorias podem ser criadas em função de diversos parâmetros. Assim sendo, dentro da categoria das normoses específicas podem ser criadas inúmeras outras categorias ou subgrupos, segundo por exemplo o tipo de patologia ou de morte a que leva a normose ou ainda ao consumo de determinados produtos ou alimentos. Podemos assim falar de normoses cancerígenas, quer dizer, as que levam patologia cancerosa. Usamos também a categoria de "normose de consumo" que inclui os inúmeros objetos e serviços prestados e que se revelam patogênicos ou letais.

Trata-se de uma ilusão, de uma miragem, que consiste em nos perceber como separados do mundo exterior, como se não tivéssemos nenhuma relação com este. As conseqüências desta ilusão são o desenvolvimento de emoções destrutivas tais como o apego a tudo que nos dá prazer neste mundo exterior e a rejeição e raiva contra tudo que nos ameaça de dor e sofrimento.
São estas as maiores causas de tensão e stress o qual leva à doenças, a sofrimentos os quais reforçam ainda mais a fantasia da separatividade. As pessoas entram assim num círculo vicioso em que repetem compulsivamente o mesmo comportamento.

Outro exemplo de normose geral que atinge toda a humanidade é a de considerar como normal o uso das guerras para resolver conflitos e desavenças entre nações. Existe até um conceito jurídico de "guerra justa" que sanciona esta normose bellígena.
Esta última normose é ainda reforçada por outra normose que faz com que os povos acreditem piamente serem proprietárias da terra que ocupam, levando demasiadamente a sério as fronteiras e os limites territoriais. Esquecem que todas as fronteiras que nascem os conflitos violentos, que seja fronteiras territoriais, ideológicas, epistemológicas, políticas ou religiosas.
O próprio sentimento de propriedade é também produto de uma normose geral. Podemos em última instância considerar-mos como proprietários de objetos que todos são constituídos de materiais provindo da terra? Somos proprietários da Terra?


Uma das causas essenciais da destruição ecológica é a normose de posse da Terra. Até muito recentemente a humanidade inteira se conduzia como se fosse proprietária da Terra, achando que podia explorá-la indefinidamente. Aliás a crença de que os recursos naturais são inesgotáveis também é uma normose geral em plena regressão.
Mais uma causa fundamental de destruição da vida no nosso Planeta é a Normose Consumista já conhecida sob o termo de Consumismo. É ela que deu ensejo ao aparecimento do novo conceito econômico de Desenvolvimento Sustentável ou melhor ainda Viável. A Normose consumista transforma a população do mundo num verdadeiro formigueiro destrutivo da vida no Planeta.

A pessoa programada é aquela que quer ter o ''controle'' de tudo em sua vida e ao seu redor, quer acumular posses sempre, mesmo sabendo que tudo isto é ilusório e passageiro. É a pessoa que geralmente só pensa no bem estar próprio e quer sempre se mostrar por cima de tudo e todos. Quer sempre levar vantagens e ser a melhor a ''maioral''.Sente orgulho por trabalhar tanto de sol a sol, e enche a boca pra fazer o descurso do ''eu lutei para ter minhas posses''.

Este tipo de persona, sente muito medo pois, no fundo sabe que somos livres e que não somos matéria e no entanto, podemos abandonar este corpo físico a qualquer momento. Mas ela vive lutando e ''correndo atras do pote de ouro'', ela não quer acreditar que nada pode ser possuído realmente neste mundo.

Quando um programado que vive na rotina, que não faz nada de diferente no mundo, que segue o padrão do programa do nascer, crescer, trabalhar, acumular ''coisas'', pedaços de papel (diplomas), vê um DESPROGRAMADO ela geralmente diz ''você tem parafuso solto na sua cabeça?'' como você pode viver com tão pouco? você não deve ser assim tão sossegado na vida..você tem que comprar..consumir..ser alguém..correr..lutar..

O ser desprogramado causa geralmente muito incômodo e indignação..ele gosta da arte, de coisas vivas, vive em paz e não se deixa manipular. Sabe o valor das coisas simples e não se adapta ao corre corre desnecessário da vida moderna escrava do sistema. Não gosta de fofocas e futilidades do tipo tv e afins..gosta da natureza e não entende como o sistema pode desdenhar de um bem tão precioso pregando o consumismo em tudo..ele é geralmente citado entre os programados como ''o desajustado'', o ''louco sonhador''..

Mas o ser desprogramado não se incomoda com a solidão inevitável em meio esta matrix do consumo..ele sabe que ESTE PROGRAMA DOS NEGATIVOS está prestes a EXPIRAR a qualquer momento, fazendo com que todos os programados se sintam livres e conheçam este lado LIBERTO sem regras dos desprogramados DA MATRIX.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

ESCUTE, ZÉ- NINGUÉM !

Fragmentos do livro de WILHELM REICH

Eles o chamam de Zé-Ninguém ou Homem Comum. Dizem que esta é a alvorada do seu tempo, a "Era do Homem Comum".
Não é você quem diz isso, zé-ninguém. São eles, os vice-presidentes de grandes nações, os lideres operários e os filhos arrependidos da burguesia, os estadistas e os filósofos. Eles lhe dão o futuro, mas não fazem perguntas Sobre o seu passado.

Um médico, um sapateiro, um mecânico ou um educador terá de conhecer suas deficiências se quiser realizar seu trabalho e com ele ganhar a vida. Já há algumas décadas você vem assumindo o controle, em todas as partes do mundo. O futuro da espécie humana dependerá dos seus pensamentos e atos. No entanto, seus mestres e senhores não lhe dizem como você realmente pensa e o que você realmente é, ninguém ousa confrontá-lo com a única verdade que poderia fazer de você o senhor inabalável do seu destino. Você é "livre" apenas sob um aspecto: livre da autocrítica que poderia ajudá-lo a governar sua própria vida.

Nunca o ouvi queixar-se: "Vocês me exaltam como futuro senhor de mim mesmo e do meu mundo. Mas não me dizem como um homem se torna senhor de si mesmo e não me dizem o que há de errado comigo, o que há de errado com o que penso e faço."
Você permite que os poderosos exijam poder "para o zé-ninguém". Mas você mesmo se cala. Você confere mais poder aos poderosos, ou escolhe homens fracos e maus para representá-lo. E descobre tarde demais que você é sempre enganado.

"Que direito você tem de me passares sermão?", é a pergunta que vejo nos seus olhos assustados. É a pergunta que ouço na sua língua insolente, zé-ninguém. Você tem medo de olhar para si mesmo, zé-ninguém, tem medo das criticas e tem medo do poder que lhe está prometido. Que uso irá fazer desse poder? Você não sabe. Tem medo de pensar que você mesmo - o homem que você sente que é - possa um dia ser diferente do que é agora: livre em vez de intimidado, sincero em vez de manipulador, capaz de amar, não como um ladrão no meio da noite, mas em plena luz do dia. Você se despreza, zé-ninguém. Você diz: "Quem sou eu para ter opinião própria, governar minha vida e achar que o mundo é meu?" Tem razão: quem é você para reivindicar sua própria vida? Vou lhe dizer quem você é.

Você difere de um grande homem sob apenas um aspecto: o grande homem foi um dia um zé-ninguém, mas desenvolveu uma única qualidade importante. Reconheceu a pequenez e a estreiteza dos seus atos e pensamentos. Sob a pressão de alguma tarefa à qual atribuía grande significado, aprendeu a ver como sua pequenez, sua insignificância, punha em risco sua felicidade. Em outras palavras, um grande homem sabe quando e de que forma ele é um zé-ninguém. Um zé-ninguém não sabe que é pequeno e tem medo de saber. Esconde sua insignificância e estreiteza por trás de ilusões de força e grandeza, da força e da grandeza de alguma outra pessoa. Sente orgulho dos seus grandes generais, mas não de si mesmo. Admira uma idéia que não teve, não uma idéia que teve. Quanto menos entender alguma coisa, mais firme é sua crença nela. E, quanto melhor entende uma idéia, menos acreditará nela.

SEU FEITOR É VOCÊ MESMO. Ninguém tem culpa da sua escravidão a não ser você mesmo. Ninguém mais, é o que lhe digo.
Isso é novidade para você, não é? Seus libertadores lhe dizem que seus opressores são Guilherme, Nicolau, o Papa Gregório XXVIII, Morgan, Krupp e Ford. E quem são esses seus libertadores? Mussolini, Napoleão, Hitler e Stálin.
Eu digo: Só você mesmo pode ser seu libertador!

Cercado por grandes zés-ninguéns, ele ganha poder para você, ou um pouco da verdade, ou ainda uma fé nova e melhor. Escreve seus ensinamentos, elabora leis para garantir a liberdade, contando com seu auxílio e firme disposição de ajudar. Ele o ergue do atoleiro social em que você se afundara. Para manter todos os grandes zés-ninguéns unidos e não deixar de fazer jus à confiança do povo, o
verdadeiro grande homem é forçado, pouco a pouco, a sacrificar a grandeza que alcançou em profunda solidão espiritual, longe de você e da sua agitação diária, embora em íntimo contato com a sua vida. Para liderá-lo, ele precisa permitir que você o idolatre como um deus inacessível. Você não teria confiança nele se ele continuasse a ser o homem simples que foi; se, por exemplo, vivesse com uma mulher fora do matrimônio.

Portanto, é você quem cria seu novo senhor.
Elevado à posição de novo senhor, o grande homem perde sua grandeza, que consistia em integridade, simplicidade, coragem e intimidade com as realidades da vida. Os grandes zés-ninguéns, que derivam seu prestígio do grande homem, assumem os altos postos nas finanças, na diplomacia, no governo, nas artes e nas ciências. E você continua onde sempre esteve, no atoleiro. Você continua a andar por ai em andrajos, em nome do "futuro socialista" ou do "Terceiro Reich". Você continua a viver em casebres de pau-a-pique rebocados com bosta de vaca. No entanto, sente orgulho do seu Palácio da Cultura do Povo. Você se satisfaz com a ilusão de que detém o poder... Até a próxima guerra e a queda dos novos senhores.

"Você é e sempre será um ser inferior, incapaz de ter responsabilidade. Você os chama de guias ou redentores e dá gritos de „hurra‟."
Tenho medo de você, zé-ninguém, muito medo, porque o futuro da humanidade depende de você. Tenho medo de você porque seu principal objetivo na vida é fugir - de si mesmo. Você está doente, zé-ninguém, muito doente. A culpa não é sua; mas é sua responsabilidade se curar. Você já se teria livrado dos seus opressores há muito tempo se não tivesse aprovado a opressão, e lhe dado tantas vezes apoio direto.

Nenhuma força policial no mundo teria tido o poder de esmagá-lo se você tivesse um mínimo de auto-respeito em sua vida cotidiana; se tivesse a consciência, a real consciência, de que sem você a vida não poderia prosseguir por uma hora sequer. Será que seu libertador lhe disse isso? Ele o chamou de "Trabalhadores do Mundo", mas não lhe disse que você e somente você é responsável pela sua vida (e não pela honra da pátria).

"Antes de confiar em você, quero saber quais são as suas convicções."
Quando eu lhe disser quais são as minhas convicções, você vai sair correndo à procura do promotor público, do Comitê contra Atividades Antiamericanas, do FBI, do GPU, do seu jornal de escândalos preferido, da Ku Klux Klan ou dos diversos líderes do proletariado mundial.
Não sou nem branco, nem preto, nem vermelho, nem amarelo.
Não sou nem cristão, nem judeu, nem muçulmano, nem mórmon. Não sou polígamo, nem homossexual, nem anarquista.

Faço amor com uma mulher porque a amo e a desejo, não porque tenho uma certidão de casamento ou por estar faminto de sexo.

Não espanco crianças. Não pesco nem caço, embora seja bom atirador e goste de praticar tiro ao alvo. Não jogo bridge e não dou festas para divulgar minhas idéias. Se minhas idéias forem válidas, elas próprias se divulgarão.
Não submeto meu trabalho à apreciação de qualquer autoridade médica, a menos que ela o compreenda melhor do que eu. E sou eu que decido quem entende minhas descobertas e quem não.
Respeito ao pé da letra todas as leis que fazem sentido, mas combato as que são obsoletas ou absurdas. Não vá correndo falar com o promotor público, zé-ninguém! Se ele é um homem honesto, age da mesma forma.

Quero que as crianças e os jovens apreciem o amor físico sem obstáculos.
Não acredito que, para ser religioso no melhor e autêntico sentido, um homem precise destruir sua vida amorosa e se mumificar de corpo e alma.
Sei que o que você chama de "Deus" realmente existe, mas não na forma que você pensa. Deus é energia cósmica primordial, o amor no seu corpo, sua integridade e sua percepção da natureza dentro e fora de você.

Tenho medo de você, zé-ninguém, muito medo. Nem sempre foi assim. Eu mesmo era um zé-ninguém, em meio a milhões de outros zés-ninguéns. Tornei-me, então, cientista e psiquiatra. Aprendi a ver como você está doente, e como é perigoso nessa sua doença. Aprendi a ver que é seu próprio distúrbio psíquico, não algum poder superior externo a você, que o mantém embaixo - todos os dias, a qualquer hora, mesmo na ausência de qualquer coerção externa. Você teria derrubado os tiranos há muito tempo se no seu íntimo estivesse vivo e em perfeita saúde.
No passado, seus opressores provinham das classes mais altas da sociedade; mas hoje eles provêm da sua própria camada. São ainda mais zés-ninguéns do que você, zé-ninguém.

Precisam ser mesmo muito pequenos para conhecer sua desgraça a partir da própria experiência e, com base nesse conhecimento, oprimi-lo com mais eficácia e mais crueldade do que nunca.
Você não sabe discernir, não sabe sentir quem é o homem verdadeiramente grande.
Você nem sempre é pequeno, zé-ninguém. Sei que tem seus "momentos de grandeza", suas "experiências de entusiasmo" e "exaltação". Falta-lhe, porém, a perseverança para deixar seu entusiasmo decolar, sua exaltação levá-lo a alturas cada vez maiores. Você tem medo de decolar, tem medo das alturas e das profundezas. Nietzsche há muito tempo lhe disse isso, muito melhor do que eu. Ele queria elevá-lo para que você se tornasse um super-homem, para que superasse o meramente humano.

Em vez do super-homem de Nietzsche você aceitou o Fúhrer, Hitler. E você continuou sendo o que era, o subumano.
Quero que você deixe de ser subumano e se torne "você mesmo". "Você mesmo" é o que estou dizendo. Não o jornal que você lê, não a opinião do seu vizinho perverso, mas "você mesmo". Eu sei, e você não sabe, o que você realmente é no fundo. Bem no fundo, você é o que um cervo, seu Deus, seu poeta ou seu filósofo são.

Você acha, porém, que é membro da associação dos veteranos de guerra, do seu clube de boliche ou da Ku Klux Klan. E, por pensar assim, você se comporta desse jeito. Isso também já lhe foi dito há muito tempo por Heinrich Mann na Alemanha, por Upton Sinclair e John dos Passos nos Estados Unidos. Você, entretanto, não reconheceu Mann nem Sinclair. Você só reconhece o campeão dos pesos pesados e Al Capone. Se lhe for dada a escolha entre uma biblioteca e uma luta, sem dúvida você irá à luta.

Você advoga a felicidade na vida, mas a segurança tem para você significado muito maior, mesmo que ela lhe custe dobrar a espinha ou arrase com sua vida inteira. Como nunca aprendeu a agarrar a felicidade, a apreciá-la e protegê-la, falta-lhe a coragem da integridade. Será que devo lhe dizer, zé-ninguém, que tipo de homem você é? Você ouve propagandas no rádio, anúncios de laxantes, cremes dentais, graxa para sapatos, desodorantes e assim por diante.
Não se dá conta, porém, da estupidez infinita, do abominável mau gosto dos cantos de sereia calculados para atrair sua atenção. Você algum dia chegou a prestar atenção às piadas de um comediante de boate a seu respeito? A respeito de você, dele mesmo e de todo o seu mundo desgraçado. Ouça bem seus comerciais de produtos para o melhor funcionamento dos intestinos e aprenda quem e o que você é.

Escute, zé-ninguém! Cada uma das suas iniqüidades mesquinhas lança uma luz sobre a desgraça da vida humana. Cada um dos seus atos mesquinhos diminui a esperança de que se possa melhorar seu quinhão, mesmo que só um pouco. Isso é motivo para tristeza, zé-ninguém, para tristeza profunda e dolorosa. E para evitar essa tristeza que você faz piadinhas tolas. Isso é o que você chama de seu senso de humor.

Você ouve uma piada sobre si mesmo e se junta ao riso. Não ri por apreciar o humor às suas custas. Ri do zé-ninguém sem suspeitar que está rindo de si mesmo, que a piada é sobre você. E todos os milhões de zés-ninguéns não percebem que a piada é sobre eles. Por que riram de você com tanto entusiasmo, tanta franqueza, tanta crueldade pelos séculos afora? Já percebeu como fazem as pessoas comuns parecerem ridículas nos filmes?

Vou lhe dizer por que riem de você, zé-ninguém, pois eu o levo a sério, muito a serio.
Foram necessários muitos milhões de anos para você evoluir de medusa a bípede terrestre. Você vem vivendo em rigidez corporal, sua aberração atual, há apenas seis mil anos. E vai demorar cem, quinhentos ou cinco mil anos para que você redescubra a natureza dentro de você, a medusa em você.

Não é verdade, zé-ninguém, que você persegue "mães solteiras" por serem imorais? Não é verdade que você traça uma distinção nítida entre filhos "legítimos" e "ilegítimos"? Que lastimável criatura você é, correndo a esmo neste vale de lágrimas! Você não conhece o significado das suas próprias palavras.

Você cultua o Menino Jesus. O Menino Jesus nasceu de uma mãe sem certidão de casamento. O que você cultua no Menino Jesus, pobre zé-ninguém dominado pelo casamento, é seu próprio anseio pela liberdade sexual! Você exaltou o Menino Jesus "ilegítimo", tornou-o filho de Deus, que não considerava nenhuma criança ilegítima. Mas então, cruel e mesquinho como é, você começou, na pessoa do apóstolo Paulo, a perseguir os filhos do verdadeiro amor e a dar aos filhos do verdadeiro ódio a proteção das suas leis religiosas. Você é vil, zé-ninguém.

Você dirige seu automóvel, atravessando pontes concebidas pelo grande Galileu. Você sabe, zé-ninguém de todos os países, que o grande Galileu gerou três filhos fora do casamento? Isso você não conta aos seus alunos. E não foi essa uma das razões para a perseguição a Galileu?
E você sabe, zé-ninguém da pátria de todos os povos eslavos, que o grande Lênin, pai de todos os trabalhadores do mundo (ou de todos os eslavos?), ao chegar ao poder, aboliu o casamento compulsório? Você sabe que ele próprio viveu com uma mulher sem oficializar o casamento‟? Disso, você fez segredo. não é, zé-ninguém? E depois, através do seu grande líder de todos os eslavos, você restabeleceu as antigas leis do casamento por ser incapaz de incorporar à sua vida o grande feito de Lenin
Ou talvez, zé-ninguém, você seja um marxista, um "revolucionário profissional", futuro líder dos trabalhadores do mundo, futuro pai de alguma pátria soviética.

Você quer livrar o mundo dos sofrimentos. As massas enganadas fogem de você, e você corre atrás delas, aos gritos. "Parem! Parem, massas trabalhadoras! Não estão vendo que eu sou seu libertador? Por que não o admitem? Abaixo o capitalismo!" Eu instilo vida nas suas massas, revolucionário-ninguém. Eu lhes mostro a desgraça de suas vidinhas. Elas me ouvem, ficam radiantes de entusiasmo e esperança e correm para suas organizações porque esperam me encontrar ali. E o que é que você faz?

"O sexo é uma aberração pequeno-burguesa", diz você. "Tudo depende de fatores econômicos." E lê o livro de Van de Velde sobre técnicas amorosas.
E você, zé-ninguém, o que fez com a riqueza intelectual do grande homem? Ele lhe deu idéias elevadas, de longo alcance, mas você guardou apenas uma palavra retumbante: ditadura! De toda a superabundância de um grande e caloroso coração... restou apenas uma palavra: ditadura! Você jogou fora tudo o mais: liberdade, respeito pela verdade, libertação da escravidão econômica, pensamento construtivo, metódico. Só uma palavra infeliz, embora bem-intencionada, permaneceu em você: ditadura!

A partir desse pequeno equívoco por parte de um sábio, você criou um enorme sistema de mentiras, perseguições, torturas, prisões, carrascos polícia secreta, informantes, delatores, uniformes, marechais e medalhas. Todo o resto você jogou fora. Agora está começando a compreender como você é, zé-ninguém? Ainda não? Pois bem, vamos tentar mais uma vez. Você confundiu as "condições econômicas" do seu bem-estar na vida e no amor com a "maquina"; a emancipação do homem com a "grandeza do Estado"; a disposição a fazer sacrifícios por grandes objetivos com a estupidez e teimosia da "disciplina partidária"; o despertar de milhões com a exibição de poderio bélico; amor livre com o estupro indiscriminado quando veio à Alemanha; a abolição da pobreza com o extermínio dos pobres, fracos e indefesos; cuidado às crianças com a "criação de patriotas"; planejamento familiar com medalhas para as "mães de dez filhos". Você mesmo não foi vítima dessa sua idéia da "mãe de dez filhos"?


Você acha que os fins justificam os meios, por mais abjetos que sejam. Eu lhe digo: O fim é o meio pelo qual você o atinge. O passo de hoje é a vida de amanhã. Fins grandiosos não podem ser alcançados por meios torpes. Isso você provou em todos os seus levantes sociais. A mesquinhez e a desumanidade dos meios fazem com que você seja mesquinho e desumano, e tornam os fins inatingíveis.
Ouço-o perguntar: "Como então vou atingir meu fim, seja ele o amor cristão, o socialismo, seja a democracia norte-americana?" Seu amor cristão, seu socialismo e sua democracia norte-americana são o que você faz a cada dia, em cada momento, seu modo de pensar, de abraçar sua companheira de vida e amar seu filho; eles são sua atitude de responsabilidade social para com seu trabalho e sua determinação de não se tornar como os opressores da vida que você tanto odeia.

Você confundiu o direito à liberdade de expressão e de crítica com o direito de cometer indiscrições e fazer piadas idiotas. Você quer criticar mas não ser criticado e, em conseqüência dessa atitude, acaba sendo dilacerado e morto. Quer atacar sem se expor ao ataque. É por isso que sempre atira de tocaia.
"Polícia! Polícia! O passaporte desse homem está em ordem? Ele é médico mesmo? Seu nome não está no Quem é quem e a Associação Médica está contra ele."
A polícia não vai levá-lo a lugar nenhum, zé-ninguém. Ela pode prender ladrões e regulamentar o tráfego, mas não tem como conquistar a liberdade para você, nem como preservá-la. Você mesmo destruiu sua liberdade e continua a destruí-la com uma coerência deplorável.
Você não é o "povo", zé-ninguém. Você é quem menospreza o povo, pois você trabalha não pelos direitos dele, mas pela sua própria carreira.

Isso também já lhe foi dito por uma infinidade de homens generosos. Só que você nunca os leu, zé-ninguém, disso tenho certeza. Mostro respeito pelo povo ao incorrer em sério perigo para dizer a verdade a ele. Poderia muito bem jogar bridge com você e fazer piadinhas idiotas. Mas não me disponho a sentar à mesma mesa que você. Você é um péssimo defensor da Declaração da Independência.
Você não é nada, zé-ninguém! Nada de nada! Você não construiu esta civilização, ela foi construída por alguns dos seus senhores mais decentes. Mesmo que você seja construtor, você não sabe o que está construindo. Se eu ou alguma outra pessoa dissesse: "Assuma responsabilidade pelo que está construindo", você me chamaria de traidor do proletariado e correria em rebanho até o Pai de todos os proletários, que não diz esse tipo de coisa.
Você não é livre, zé-ninguém, e não faz a menor idéia do que seja a liberdade. Não saberia viver em liberdade. Quem levou a peste ao poder na Europa? Você, zé-ninguém! E nos Estados Unidos?


Eu sei, eu sei, mulher-ninguém. Todas as aparências lhe são favoráveis; você estava lutando pelo seu pais e assim por diante. Isso eu ouvi há muito tempo na Áustria. Você alguma vez ouviu um motorista de aluguel em Viena aos gritos de "Longa vida ao meu Imperador!"? Não? Não faz diferença. Basta que preste atenção a você mesma. A toada é a mesma. Não, mulher-ninguém, não tenho medo de você. Você não pode fazer nada contra mim. Sei que seu genro é promotor público ou que seu sobrinho é coletor de impostos na minha cidade. Você o convida para tomar chá e solta uma palavra indignada a meu respeito. Ele está ansioso por uma promoção e à procura de uma vitima, alguém que possa sacrificar à lei e à ordem. Sei como isso se faz. Mas isso não a salvará, mulher-ninguém. Minha verdade é mais forte do que você.


Mesmo assim, não desanimei, porque nesse meio tempo eu havia adquirido uma compreensão melhor e mais profunda da sua doença, eu sabia que você não poderia ter pensado ou agido de modo diferente. Reconheci seu medo pânico diante de tudo o que é vivo em você. É esse medo que sempre o desvia do caminho, mesmo quando começou bem. Você simplesmente não consegue perceber que a esperança precisa nascer da sua própria compreensão. Para você a esperança vem de fora para dentro, mas nunca brota a partir de você mesmo. E por isso, zé-ninguém, que você, considerando a total podridão do seu próprio mundo, me chama de "otimista". Sim, eu sou otimista, cheio de perspectivas para o futuro. Como isso é possível? Vou lhe dizer.

A força vital no homem foi maltratada por muito tempo, mas só recentemente ela começou a revidar. Este é um grande começo para seu grande futuro, e promete um fim terrível para todos os tipos de pequenez nos zés-ninguéns!
Cale-se! Você está se escondendo por trás do mito do zé-ninguém porque tem medo de entrar na correnteza da vida e de precisar nadar, mesmo que seja só por seus filhos e netos.
O que você chama, de "opinião pública", zé-ninguém é o conjunto das opiniões de todos os zés-ninguéns, homens e mulheres. Cada homem e cada mulher zé-ninguém tem no seu íntimo uma opinião própria correta e um tipo especial de opinião incorreta. Suas opiniões incorretas derivam do medo das opiniões incorretas de todos os outros zés-ninguéns e mulheres-ninguéns. É por isso que as opiniões corretas não vêm à luz. Por exemplo, você não vai mais acreditar que você "não tem nenhuma importância". Você irá saber e proclamar que é o esteio e o alicerce desta sociedade humana. Não fuja! Não tenha medo! Não é tão mau assim ser um esteio responsável da sociedade humana.

"O que eu devo fazer então para ser o esteio da sociedade?"
Nada de novo ou de incomum. Apenas continue fazendo o que já está fazendo: lavre seu campo, use seu martelo, examine seu paciente, leve seus filhos para brincar ou para a escola, escreva artigos sobre os acontecimentos do dia, investigue os segredos da natureza. Você já está fazendo tudo isso, mas acha que são atividades sem importância e que só as palavras ou os atos do Marechal Medalha-no-Peito ou do Príncipe Conversa-Fiada são importantes.

"Você é um sonhador, doutor. Não percebe que o Marechal Medalha-no-Peito e o Príncipe Conversa-Fiada dispõem dos soldados e das armas necessárias para fazer a guerra, para me convocar para a guerra deles e para fazer explodir em pedaços meu campo, minha fábrica, meu laboratório ou meu escritório?
Faça o que seu coração mandar, ainda que ele o leve a caminhos que almas tímidas evitariam. Mesmo quando a vida for um tormento, não permita que ela o torne insensível.
Descortinei para você o vasto reino da energia viva dentro de você, sua essência cósmica. Essa é minha grande recompensa.

E para os ditadores e tiranos, os astuciosos e malévolos, os abutres e hienas, protesto com as palavras de um antigo sábio:

Plantei neste mundo o estandarte de palavras sagradas.
Muito depois de estar murcha a palmeira
e de se ter esfarelado a rocha;
muito depois de monarcas deslumbrantes
terem desaparecido como o pó de folhas secas,
mil arcas levarão minha palavra
pelos dilúvios afora:
Ela prevalecerá.

Fragmentos de vários livros do mestre Osho

''Se você se encontra numa situação ruim na vida, onde está totalmente perdido, você me pergunta o que fazer? Eu respondo: Por favor não faça nada. Sua vida está deste jeito por você fazer muito..ter feito muita coisa em excesso..então não faça absolutamente mais nada.'' (Osho)


''Todos os problemas são falsos, você os cria. Pois sem problemas não há nada a fazer, nada com o que brigar, nenhum lugar para ir, Você cria problemas para que possa sentir que a vida é um grande trabalho, um crescimento,e você precisa batalhar arduammente.
Lembre-se: O ego pode existir somente quando ele batalha, quando ele luta. você cria os problemas, mas eles na verdade não existem.'' (Osho)

''Iluminação: Apenas é uma decisão de não querer criar mais problemas. Parar com a tolice de não arranjar mais problemas e de encontrar soluções.'' (Osho)

''O ego não pode existir no vazio.''

''Viva no mundo mas não deixe que o mundo viva em você.''

''O mundo não é ruim nem bom. Se você for inteligente ele é um tédio. Se você for estúpido pode seguir em frente, então ele é um carrossel e você se move interessado em trivialidades. Fica repetindo e não está suficiente consciente para perceber a repetição, não pode perceber que ontem fez uma coisa, que hoje está fazendo a mesma coisa e fica imaginando fazer de novo a mesma coisa amanhã. você deve ser realmente pouco inteligente. Como a inteligência pode evitar o tédio? é impossível pois, a inteligência é perceber as coisas como elas são. É por isso que as pessoas inventaram o álcool e outras drogas, estas são maneiras de escapar do tédio, mas você não pode escapar mas sim, evita-lo por algum tempo apenas. Repetidamente o tédio virá..Você pode ''escapar'' no sexo, no comer exageradamente,na música, mas repetidamente o tédio surgirá. O tédio mostra simplesmente que você está ficando consciente da futilidade da vida, da roda constantemente repetitiva. As pessoas são tolas e quanto mais velho mais tolo você fica ,quanto mais experiente parece que acumula mais estupidez na vida. Raramente acontece das pessoas começarem a observar a vida e seus PADRÕES de vida repetitivos. Perceba o que é a sua infelicidade, que desejos a estão causando e porque você está se apegando a estes desejos. Então não é a primeira vez que você se apega a esses desejos; Esse tem sido o padrão de toda a sua vida e você não chegou a lugar nenhum.'' (Osho)


''Uma educação verdadeira não te ensinará a competir, mas ensinará a cooperar. Não ensinará a lutar e chegar em primeiro lugar, mas a ser criativo, a ser amoroso, a ser alegre sem se comparar com os outros.'' (Osho)

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

SAGRADO FEMININO





O sangue é um símbolo vivo, uma evidência da conexão humana com os ancestrais e com os códigos de consciência armazenados dentro de todos os seres constituindo uma biblioteca genética em sua essência espiritual, estão os arquivos de experiências pessoais, planetárias e celestiais.
O sangue é rico em padrões e desenhos da natureza geométrica que se reconhecem, de acordo com o estado de consciência e intenção de cada pessoa, os seus pensamentos são registrados pelo seu sangue, ele é rico ou pobre de acordo com o projeto de intenções do indivíduo e pode ser facilmente enriquecido ou reestruturado.
Freqüentemente as mulheres desdenham seu sangue menstrual ao invés de compreendê-lo como fonte de seu poder. O sangue menstrual pode ser empregado para nutrir a vida vegetal. Em geral as mulheres não sangram mais sobre a Terra, fazer isso constitui uma transferência direta de energia Divina Viva.
Quando as mulheres colocam seu sangue sobre a Terra, ela é alimentada. Conforme vão deixando de lado antigos tabus e trabalham com o sangue menstrual, verão que tem um efeito diferente sobre plantas e animais.
O sangue constitui uma das mais elevadas fontes de fertilização, ele pode ser diluído com água para aumentar sua quantidade e abençoado com cristais para manter a vibração, atrairá plantas e animais que tenham uma nova vitalidade.
Não há erro na menstruação, é uma das maiores dádivas, é o elixir dos deuses, se desejam ter uma horta fértil, usem o seu sangue diluído com água e esta horta florescerá e acelerará o crescimento dos alimentos. O sangue menstrual é altamente oxigenado. A Lua influência os ritmos terrestres, rege o fluxo de energia do corpo, do mesmo modo que governa as marés do planeta.

Fonte: Terra Ensinamentos das Plêiades - Barbara Marciniak


------------------------------------------------------------




Nós mulheres precisamos recobrar o sagrado que habita em nós. Muitas pessoas esqueceram do real valor e poder feminino e isto se reflete em nossa mãe Gaia, o planeta terra. Atualmente é perceptível ver como a terra está desnutrida de energia e sendo ela nossa mãe desta vestimenta física que temos, sentimos como ela precisa de nós. A matrix sempre nos bombardeou com informações falsas incentivando cada vez mais o consumismo desenfreado, causando poluições desnecessárias de rios, nascentes, desmatamentos e incentivando também a nos tornarmos seres tóxicos pois, nesta era dos shoppings centers e afins, muitas pessoas se tornaram robotizadas sem elo algum com a mãe gaia, com o lado NATURAL e correto de ser e viver.



O natural em nós é nossa força inata em cada um, por isso a matrix e os donos deste sistema escravagista pregam tanta superficialidade. A maioria das mulheres negam sua feminilidade, tem nojo da própria menstruação coisa que para nossas antepassadas era símbolo de poder e força interior pois, este sangue acumulado é o que se transformavaos seus filhos. Haviam rituais indígenas de oferecimento da menstruação como um retorno a mãe terra fechando assim um ciclo onde, a terra recebendo a menstruação cheia de nutrientes se tornava mais forte e transparecia cada vez mais força e agradecimento.


Todas as mulheres tinham a noção do poder interior que habitava cada uma, elas sabiam muito bem do sagrado feminino e infelizmente isto foi se perdendo. O que vemos hoje são mulheres que desrespeitam o sagrado feminino, querem competir com os homens em tudo, elas não se conectam mais com a natureza e vivem escravas de coisas industrializadas, cosméticos,botox,silicone e afins. A mãe terra é a geradora de tudo o que vemos manifestado no físico, e nós mulheres somos também as geradoras e transformadoras de energia.



O masculino não tem que ser ''conquistado'' ou ''superado''. Na natureza tudo deve estar em harmonia divina e sendo assim o masculino e feminino são duas forças da natureza complementares. Na filosofia oriental vemos que tudo é YIN E O YANG sendo o yin o princípio passivo, noturno, escuro, frio, e o yang o princípio ativo, diurno, luminoso, quente. Tudo em perfeito equilíbrio é a unidade trasparecida e isto a maioria de nós perdeu graças ao incentivo que recebemos por anos a fio dos negativos que nos bombardeiam com informações antinaturais.


A mulher quando se torna consciente de seu real poder, desperta a Deusa que a habita e volta a reconexão com nossa sagrada mãe Gaia transformando assim, tudo a sua volta. A nova era será intensamente feminina e maternal pois, a sabedoria ancestral da guerreira é o que dará continuidade e força para os que estiverem presente na reconstrução da nova terra. A consciência de integridade com a mãe natureza, estará em tudo e em todos e o sagrado feminino desperto nas mulheres. Que nossas ancestrais xamãs que aqui chegaram primeiramente, nos transfira sabedoria para a continuidade do caminho da Deusa...


AHO MITAKUYE OYASIN!!