A maioria das pessoas vive física, intelectual ou moralmente, num círculo muito restrito do seu ser potencial. Elas fazem uso de uma parte muito pequena de sua consciência possível.


( William James)


sábado, 21 de abril de 2012

A RODA DA VIDA - A REENCARNAÇÃO E O CAMINHO DO GUERREIRO


Então que eu compreendi do que era feito, a magia da totalidade energética do ser. Somos um conglomerado de energia, isso é importante citar a princípio para entendermos o decorrer do assunto, somos compostos por filamentos de energias agrupados, o agrupamento deles no nosso casulo luminosos forma a nossa individualidade, nos faz ser o que somos, uma somatória única de campos de energia que já percorreram todo o universo. Cada pedaço de nós guarda uma história quase infinita, uma trajetória grandiosa pelo universo sem fim. Podemos atingir essas memórias, é como se fosse o DNA do universo guardado dentro de nós, somos hoje o aglutinamento de fragmentos de incontáveis seres que precederam a nossa jornada nesta Terra. Este é o motivo de tamanha confusão que várias doutrinas empreendem na visão reencarnacionista, a confusão que nossa totalidade energética permanece depois de nossa interação com a morte, e isso definitivamente acontece, mas não de forma concentrada, mas sim de forma difusa.


Na verdade, quando a morte chega para desafiar uma pessoa, ela rompe o nosso casulo da individualidade, nos despedaça nos milhares de fragmentos energéticos que nos compõe, somos sim uma formação única dentre bilhões de possibilidades, aglomerados energéticos de infinitos seres que já se foram de sua individualidade e hoje são apenas energia, como se diz na física, a energia não se cria e nem se perde, ela apenas se transforma e a forma de nos transformarmos é essa, sendo dissolvidos. Uma boa analogia para este entendimento foi postada em um grupo de discussão recentemente por um colega, é narrada pelo guerreiro Núvem que Passa, ele diz que somos tais quais tapetes, quando morremos somos desfiados e cada fio fará parte de um novo tapete na nossa vida posterior, essa é uma boa forma de entender está realidade energética. Sei que é difícil para a nossa mente compreender que não permaneceremos como somos, a nossa mente é controlada pelo ego, e o tesouro maior do ego é nossa individualidade, não há como, para o ego, pensar em imortalidade sem individualidade. Uma parte de nós apenas é imortal, isso para a grande maioria, contudo, aluta de uma vida do guerreiro é conseguir enfrentar a morte, sair de seu casulo para o terceiro nascimento e manter a coesão energética que nos faz ser o que somos. Somente assim é possível transcender aos ciclos eternos de composição e descomposição energética da vida.

Entendendo isso chegamos a um ponto crucial. Somos o emaranhado de energia, vinda de diversos seres, formas de vida, consciências diferentes, isso nos faz como somos. Contudo, conhecemos muito pouco de nossa totalidade energética. Nosso conhecimento, o que temos guardado dentro de nós é um tesouro sem fim, quase que ilimitado, mas que pode ser explorado pelo guerreiro que se dedicar ao trabalho. Se soubermos tudo que nos compõe saberemos de todas as nossas possibilidades, resgataremos ciências impressionantes de tempos infinitos que sequer podemos compreender. Dessa forma, entendendo a nossa fragmentaridade, entendendo cada pedaço de nós mesmos entenderemos a nossa totalidade. Nossa totalidade nos guia de forma inconsciente pela jornada de nossa vida, o nosso trabalho é tomar consciência que somos guiados e assim saber de que forma somos guiados.

As interações que temos, afinidades, repulsas que acreditamos ser algo natural na verdade não passa de uma interação entre fragmentos de energia que levamos, pedaços nossos podem ser coincidentes com pedaços energéticos de outras pessoas. Consigo compreender agora, e vendo as coisas sob este diapasão, porque várias pessoas tem a lembrança de mesmas encarnações anteriores, pois realmente, a encarnação anterior se dispersou em milhões de filamentos que hoje compõe as mais diversas pessoas. Consigo compreender sobre este aspecto, e ver agora mais ainda, como pessoas como Chico Xavier conseguiam ter acesso a tanto conhecimento, na verdade, o que se pensam ser um contato com o mundo exterior, é o contato com o mundo interior, talvez ele tenha tido acesso a grande parte de sua totalidade energética, tenha realmente acessado todo o conhecimento que residia guardado em seus filamentos energéticos , alinhando-se com cada um deles.

Dessa forma, as jornadas para dentro assumem um valor ainda maior do que poderíamos pensar. Acessando o conhecimento de cada fibra luminosa dentro de nós, resgatamos o conhecimento ancestral que reside ali dentro, é um caminho necessário para a totalidade energética. Além disso, com essa jornada para o conhecimento total de nossa energia, entendemos que somos como tudo, pois inevitavelmente acessaremos lembranças guardadas nestes filamentos que já foram de plantas, animais, inorgânicos e seres muito além de nossa compreensão, é o caminho para a compreensão que somos iguais a tudo mais que nos cerca, que estamos de alguma forma ligados pela roda eterna da vida, e que podemos definitivamente escapar dessa roda eterna, transcende-la e seguir com nossa individualidade pelo infinito universo que nos cerca.

Levaria muito mais que uma vida para termos acesso a todo conhecimento ancestral que reside dentro de nós, só transcendendo a morte, a verdadeira desafiante, é que teremos a possibilidade mínima de explorar todo o potencial, todo o conhecimento que temos dentro de nós. Tudo está acessível para todos nós, tudo, só depende de nosso poder pessoal, de nossa vontade e de nosso intento, dessa forma, com o foco correto, conseguimos ter acesso a todo conhecimento que precisamos em nossa jornada por esta Terra, só basta encontrarmos a forma de acessar a estas energias. A regressão pode ser uma delas, as meditações profundas, o auxílio das plantas de poder, o sonhar, várias são as portas de acesso, eu diria que todas elas juntas são as formas, esse é o grande mistério do alinhamento energético.





Nenhum comentário:

Postar um comentário