A maioria das pessoas vive física, intelectual ou moralmente, num círculo muito restrito do seu ser potencial. Elas fazem uso de uma parte muito pequena de sua consciência possível.


( William James)


sábado, 12 de junho de 2010

A MATRIX E A ILUSÃO DA LIBERDADE: DEMOCRACIA VERSUS COMUNISMO, SOCIALISMO, FASCISMO

A MATRIX E A ILUSÃO DA LIBERDADE: DEMOCRACIA VERSUS COMUNISMO, SOCIALISMO E FASCISMO



O Matrix é uma das melhores metáforas já feitas. As máquinas que foram inventadas para facilitar a vida humana acabam escravizando a humanidade - este é o tema mais comum em ficção científica distópica.Por que este medo é tão universal – tão persuasivo? Será porque nós realmente acreditamos que o nosso laptop vai acabar se tornando em nosso mestre?É claro que não.Este não é um futuro que tememos, mas um passado que já estamos vivendo.




Supostamente, os governos foram inventados para tornar as nossas vidas mais fácil e segura, mas os governos sempre acabam escravizando a humanidade.Aquilo que nós criamos para nos "servir", acaba nos governando.O governo dos Estados Unidos, pelo, e para, o povo, agora aprisiona milhões, toma metade da renda nacional pela força, regula excessivamente, pune, tortura, massacra estrangeiros, invade países, subverte governos, impõe 700 bases imperialistas ao redor do mundo, inflaciona a moeda e esmaga as futuras gerações com pesadas dívidas.Aquilo que nós criamos para nos "servir", acaba nos dominando.




O problema com a tese do Estado como servidor é que ela é historicamente completamente falsa, tanto empiricamente quanto logicamente.





Os primeiros governos e impérios foram, na verdade, uma classe dominante de caçadores de escravos, os quais entenderam que pelo fato de os seres humanos conseguirem produzir mais do que consumiam, valia a pena caçá-los, capturá-los, adestrá-los – e possuí-los.
Os antigos impérios Egípcio e Chinês eram, na realidade, criações de humanos, onde as pessoas eram caçadas, capturadas, domesticadas e possuídas como quaisquer outras formas de gado. Devido a aprimoramentos tecnológicos e metodológicos, os escravos produziam tantos excedentes que o trabalho envolvido em capturá-los e mantê-los representou apenas uma pequena parte produtividade total.
A classe dominante – os fazendeiros – guardava boa parte deste excedente, enquanto distribuía pagamentos e presentes à classe opressora – a polícia, os caçadores de escravo e sadistas em geral – e à classe propagandista – os padres, intelectuais e artistas.Esta situação continuou por milhares de anos, até os séculos 16 e 17 quando novamente os aprimoramentos na organização da agricultura e da tecnologia criaram a segunda onda de produtividade excedente. O movimento dos cercamentos reorganizou e consolidou a fazenda, resultando em colheitas de 5 a 10 vezes maiores, criando uma nova classe de trabalhadores industriais acumulados no país e aconchegados nas novas cidades.Este enorme excedente agrícola foi a base do capital que moveu a revolução industrial.

A revolução industrial não surgiu porque a classe dominante queria libertar os seus servos, mas porque ela percebeu como as "liberdades" adicionais poderiam tornar o seu gado incrivelmente mais produtivo.Quando as vacas são colocadas em estábulos muito confinados, elas batem suas cabeças contra as paredes, resultando em ferimentos e infecções. Desta forma os fazendeiros dão a elas mais espaço – não porque eles querem libertar suas vacas, mas porque eles querem maior produtividade e menores custos.
A próxima parada depois da "pecuária extensiva" não é a "liberdade" [É McNuggets de frango].



A ascensão do capitalismo de Estado no século 19 foi na verdade a ascensão da "servidão de pecuária extensiva".As liberdades adicionais foram concedidas ao gado humano não com o objetivo de libertá-los, mas com o objetivo de aumentar a sua produtividade.É claro que, intelectuais, artistas e padres eram – e são – bem pagos para esconder esta realidade.O grande problema com a posse do gado humano moderno é o desafio do "entusiasmo".


O capitalismo de Estado só funciona quando o espírito empreendedor injeta a criatividade e a produtividade na economia.No entanto, produção excedente sempre cria um Estado maior e incha as classes dominantes e seus dependentes, corroendo a motivação para produtividade adicional. Os impostos e regulações crescem, as dívidas do Estado aumentam e os padrões de vida desaceleram e decaem.


A depressão e o desespero começam a se espalhar à medida que a realidade de ser uma mera propriedade se impõe na população geral.A solução para isto é mais propaganda, medicamentos antidepressivos, superstição, guerras, campanhas morais de todos os tipos, a criação de "inimigos", a pregação do patriotismo, dos medos coletivos, da paranóia sobre os estrangeiros e imigrantes, e assim por diante.









É essencial entender a realidade do mundo.Quando você olha para um mapa do mundo, você não está olhando para países, mas para fazendas. A você são permitidas certas liberdades – propriedade privada limitada, direitos de ir e vir, liberdade de associação e ocupação – não porque o seu governo aprova estes direitos por princípio – visto que ele os viola – mas porque o "gado de pecuária extensiva" é muito mais barato de possuir e muito mais produtivo.É importante entender a realidade das ideologias.




Capitalismo de Estado, socialismo, comunismo, fascismo, democracia – estas são todas abordagens do gerenciamento de gado.Algumas funcionam por longos períodos – capitalismo de Estado – e algumas funcionam muito mal – comunismo.Todas elas fracassam eventualmente, porque é imoral e irracional tratar seres humanos como gado.




O recente crescimento da "liberdade" em países superpovoados como a China e Índia está ocorrendo porque os fazendeiros do Estado atualizaram e melhoraram suas práticas de gerenciamento de gado. Eles reconheceram que colocar as vacas em estábulos maiores dá aos governantes mais leite e carne.Os governantes também reconheceram que se eles te impedirem de fugir da fazenda, você ficará deprimido, inapto e improdutivo. Um servo é mais produtivo quando ele imagina que é livre.


Desta forma, os governantes devem te fornecer a ilusão de liberdade para te ordenhar com maior eficiência.



Então eles te "permitem" partir – mas nunca para a liberdade real, apenas para outra fazenda, porque o mundo inteiro é uma fazenda. Eles vão te impedir de levar muito dinheiro, eles vão te enterrar em uma papelada inacabável, eles vão restringir seu direito de trabalhar – mas você é "livre" para partir. Devido a estas dificuldades, pouquíssimas pessoas partem, mas a ilusão de mobilidade é mantida.




Se somente 1 a cada 1000 vacas escapam, então a ilusão da fuga aumenta significativamente a produtividade das 999 restantes, ainda sobra um ganho líquido para o fazendeiro.Você também é mantido na fazenda através do licenciamento. O gado mais produtivo são os profissionais, então os governantes fornecem uma coleira eletrônica chamada "licença", a qual só permite a eles praticarem as suas ocupações na sua própria fazenda.Para criar uma ilusão de liberdade adicional, em certas fazendas o gado é permitido escolher dentre alguns gados um representante que os fazendeiros apresentam.




Na melhor das hipóteses, a eles são dadas pequenas escolhas sobre como eles são gerenciados. A eles nunca é dada a escolha de fechar a fazenda e ser realmente livres.As escolas públicas são cercadinhos para a lavagem cerebral do gado. Eles treinam as crianças a "amarem" a fazenda e a temerem a verdadeira liberdade e independência, eles atacam qualquer um que questione a realidade brutal da posse de humanos. Além do mais, eles criam empregos para os intelectuais, com os quais a propaganda do Estado conta tanto.As ridículas contradições do Estatismo – assim como a Religião – pode apenas ser sustentada através de uma infinidade de propaganda infiltrada na mente de crianças indefesas.




A idéia de que a democracia ou algum tipo de "contrato social" justificam o exercício bruto da força violenta sob bilhões é evidentemente ridícula.Se você disser a um escravo que seus ancestrais "escolheram" a escravidão, e desta forma ele está amarrado às suas decisões, ele irá simplesmente dizer:"Se a escravidão é uma escolha, então eu escolho não ser um escravo".Esta é a declaração mais amedrontadora para as classes dominantes, por isso eles treinam seus escravos para atacar qualquer um que ouse falar isto.O estatismo não é uma filosofia.O estatismo não se originou da evidência histórica e de princípios racionais.O estatismo é uma justificação ex post facto para a posse de humanos.






O estatismo é uma desculpa para a violência.O estatismo é uma ideologia, e todas as ideologias são variações de práticas de gerenciamento de gado. A religião é uma superstição intermediada, projetada para drogar as crianças com medos que elas irão pagar eternamente para serem "suavizados".O nacionalismo é um chauvinismo enfeitado, projetada para provocar uma Síndrome de Estocolmo no gado.




O oposto de superstição não é outra superstição, mas a verdade. O oposto de ideologia não é outra ideologia diferente, mas evidência clara e princípios racionais. O oposto de superstição e ideologia – do estatismo – é a filosofia. A razão e a coragem irá nos libertar.Você não precisa ser um gado.Tome a pílula vermelha.









ACORDE!!






via http://sociedadevoluntaria.blogspot.com






FONTE: http://bloglimitefinal.blogspot.com







3 comentários:

  1. a nossa liberdade e a nossa prisao , pois as grades que nos cercam sao os sedimentosde nossos condicionamentos ofertados pelo poder dominante

    ResponderExcluir
  2. Olá anônimo! Grata pelo comentário.

    Com certeza os ''donos do poder'' nos dão a ilusão da liberdade através da distração em geral,para que jamais nos libertemos desta matrix e seu controle. A maioria das pessoas 'programadas' pensam que liberdade real é ter muita grana para satisfazer os cinco sentidos do corpo e nos dias atuais quase todo mundo busca o poder, sendo que o VERDADEIRO e maior deles é dominar a si mesmo,está é a verdadeira liberdade ao meu ver.Somente quando o ser humano dominar a si mesmo, saberá que NADA no seu exterior será capaz de o dominar porque ele será UM com o TODO que verdadeiramente tem o poder da criação do cosmos.Então ele simplesmente irá rir dos que se dizem donos de um poder fictício só porque 'comanda' a grande massa do senso comum que ainda não despertou para a infinita realidade que nos acerca.

    Abraço! Paz e Luz

    ResponderExcluir
  3. E quem escreveu esse post pensa que agora é livre. Pensa.

    ResponderExcluir